Como meditar bem mesmo sem uma postura física ideal

Como meditar bem mesmo sem uma postura física ideal

Para mim, alguns dos ensinamentos mais sublimes de Sri Chinmoy sobre a postura para meditar não são técnicos, mas sim iluminadores, como por exemplo:

“Durante a sua meditação, automaticamente o seu ser interior ou consciência o levará a uma posição confortável, e então fica a seu encargo mantê-la.”

Sri Chinmoy, Two divine instruments: Master and disciple, Agni Press, 1976

 

Há muitas pessoas que têm praticado asanas, posturas físicas, por muitos anos, sem nunca ter tido mesmo uma única experiência. Por quê? Não é a postura o que vale. Não é a postura ou como você se senta. É a aspiração. Se você tivesse a capacidade, poderia até mesmo deitar e ainda meditar. Poderia correr e meditar.

Sri Chinmoy, Meditation: humanity’s race and Divinity’s Grace, part 1, Agni Press, 1974

No seu caso particular, posso ver claramente que a sua postura está correta, mas que a coisa que é de fato necessária na posição de lótus está faltando. Quando estiver sentado de pernas cruzadas e inspirando ar, o corpo todo deveria sentir conscientemente um rio de Amor divino fluindo em e através dele. Sem Amor não há Deus, e também não há existência humana. Você se ama, você ama Deus, você ama seus entes mais queridos e próximos e você ama a humanidade inteira. Por favor, tente primeiro trazer à tona o aspecto do Amor de Deus, e, uma vez que tiver firmado dentro de si esse aspecto de Amor, verá que todos os outros aspectos estão destinados a vir. O amor é a qualidade pioneira. Portanto, quando você chorar por Deus, sinta Amor – Amor imediato, espontâneo, sem reservas e devotado. Todas as qualidades divinas de Deus virão a seguir esse Amor divino.

Sri Chinmoy, Meditation: humanity’s race and Divinity’s Grace, part 1, Agni Press, 1974

 

Uma historinha pessoal sobre a postura interior para meditar bem

Agora que vocês já leram os escritos, posso deixar uma impressão pessoal, ou talvez uma historinha pessoal.

Eu acho que não sei e nem consigo meditar. E nem tenho uma postura física ideal. Mas, de vez em quando, acho que fiz ou me propus sinceramente a fazer uma ou duas coisas certas, algo que era esperado de mim. Muitas vezes nesses dias é que tenho uma boa meditação, seja antes ou depois de fazer (consigo lembrar de vários casos). Só que essas coisas não são minhas próprias ideias, mas sim inspirações que recebi. Parecem ser minhas ideias, mas se me permitir ser mais observador, percebo que elas são de fato coisas que recebi como inspiração, e não fruto da minha diligência ou inteligência. A Compaixão é quem medita em e através de mim, e, portanto, de vez em quando, eu consigo meditar bem.

Dicas para meditação 42 – Como posso saber se estou meditando demais?

Dicas para meditação 42 – Como posso saber se estou meditando demais?

 

Pergunta: Como posso saber se estou meditando demais?

Sri Chinmoy: Como pode saber se está meditando demais? É muito simples. Se estiver meditando demais, vai ter uma espécie de tensão ou dor no terceiro olho. Se estiver meditando muito – quer dizer, além da sua capacidade – vai adquirir uma postura rígida. Pode sentir: “Sou tão divino, tão perfeito, enquanto o resto das pessoas é imperfeito e não-divino. São todas criaturas insignificantes”. Se estiver tentando puxar paz, luz e felicidade além da sua capacidade, pode não obter mais nenhuma alegria ou satisfação das suas atividades terrenas. Pode sentir que essa existência terrena sua é inútil e sem significado. Se tiver esse tipo de desgosto, depressão ou sentimento ascético, e quiser se retirar do mundo, precisa saber que está tentando meditar além da sua capacidade.

Pode ser também que esteja tentando meditar do jeito errado – quer dizer, de uma maneira diferente da que sua alma quer que medite. Você pode meditar, digamos, por apenas quinze minutos, que é um tempo pequeno para a meditação. Porém, se a forma da meditação não for correta para você, sentirá uma tremenda tensão na sua testa.

Aspiration and God’s Hour, p. 16-17

 

 

Pergunta: Ao meditar, perco energia e fico cansada. É por que eu medito demais?

Sri Chinmoy: Não, não é porque você medita demais. Se está perdendo energia enquanto medita, significa que sua meditação está incorreta. Se meditar bem, vai ganhar energia. Não vai perdê-la. Se fizer a coisa certa, naturalmente será bem sucedida. Mas se meditar de uma forma errada, então a meditação falhará em seu propósito.

Sua meditação, infelizmente, não é da maneira que deveria ser. Você deveria meditar no seu coração ou no seu ser interior. No entanto, está meditando na mente ou num outro lugar errado. Esse é o seu problema.

Meditação é a única maneira de ganhar energia infinita, luz infinita e felicidade. Todavia, se o método que você usa todos os dias está errado, naturalmente vai perder energia ao invés de ganhá-la.

Aspiration and God’s Hour, p. 27-28

 

Pergunta: Poderíamos ter uma semana de meditação contínua para fazer algum progresso?

Sri Chinmoy: Assim, vão ter que abrir mais hospícios. Não é possível. Apenas Mestres espirituais podem meditar por horas e dias a fio. Buscadores comuns precisam falar e se envolver com as pessoas. De outro modo, ficarão loucos. Qualquer indivíduo tem de ver e falar com os outros e obter uma vibração exterior. De outra maneira, a mente e os nervos ficam muito agitados. A raiva vem e também um tipo de orgulho sutil: “Não falei com ninguém por uma semana”. Eles se tornam anormais.

Meditar 24 horas por dia é bem possível, mas só depois que realizar Deus ou estiver à beira da realização. Nessa hora, você terá adquirido a capacidade. Assim, mesmo enquanto estiver comendo, falando ou trabalhando no seu escritório, verá que está fazendo sua melhor meditação; verá que pode fazer quatro coisas ao mesmo tempo.

The Mind and the Heart in Meditation, p. 30

Dicas para meditação 41 – exagerando

Dicas para meditação 41 – exagerando

Pergunta: A consciência física pode ficar atrás enquanto a consciência psíquica está recebendo uma luz mais elevada? 

Sri Chinmoy: Isso já aconteceu várias e várias vezes, milhares de vezes. A consciência psíquica está recebendo Paz, Luz e Felicidade de cima em medida abundante, enquanto a consciência física não é poderosa o suficiente ou ampla o suficiente para retê-la. Então, o que acontece? Finalmente o físico se revolta e nós sofremos. É por isso que digo aos discípulos: “Não empurre, não puxe”. Espiritualidade é uma questão de aceitação e transformação. Aceitamos a nossa vida como ela é. Então, tentamos transformá-la. Mas não fazemos isso a ferro e fogo. O meio divino é através da aspiração. Se puxarmos além da nossa capacidade, vamos quebrar. Se uma criança quer carregar algo muito pesado, além da capacidade dela, sofrerá. Devagar e sempre vencemos a corrida.

Aqui, capacidade é receptividade. Se desenvolvemos uma grande receptividade, então não importa quão elevado é o nosso nível espiritual ou quanto trazemos lá de cima, seremos capazes de assimilá-lo. Se o recipiente é bem largo, não precisamos nos preocupar. Quando aspiramos escalar para o nível mais elevado, temos de aspirar por expansão. Não só iniciantes, mas também buscadores com essas deploráveis experiências. O físico se revolta quando não é espaçoso o suficiente para reter a Paz, a Luz e o Poder que o psíquico traz para baixo. Deveria haver uma harmonia perfeita entre a capacidade física e a capacidade do coração.

Aspiration and God´s Hour, p. 43-44

 

Pergunta: Na minha meditação, várias vezes tive a experiência de que eu era livre. Senti a liberdade da minha existência. Mas então tive que voltar à minha vida habitual, e me senti muito cansado e esgotado.

Sri Chinmoy: Quando você tem uma experiência mais elevada, é uma coisa que nutre, alimenta, fortalece e ilumina sua vida. Mas se estiver exausto, esgotada a sua energia, isso significa que você puxou além da sua capacidade. De outro modo, logo após a meditação, se foi uma meditação apropriada, vai ganhar a força de um leão. Às vezes, acontece de você sentir que foi ao alto, muito alto, e então distribuiu tudo o que recebeu. No entanto, isso não aconteceu no seu caso.

Discípulo: Também me sinto muito triste quando volto.

Sri Chinmoy: A tristeza que está sentindo é muito natural, porque você esteve num mundo mais elevado e então teve de voltar para este mundo prático, o plano terreno. Nessa hora, preocupações e problemas mundanos entraram em você. Mas se meditar por alguns anos, esses problemas não vão ficar no seu caminho, porque já terão sido superados nesse momento. Quando você voltar da sua meditação, terá uma tremenda paz, equilíbrio, alegria e amor pela humanidade. Ao ter um tremendo amor pela humanidade, nessa hora não vai se sentir exausto. Pelo contrário: se meditar bem, não haverá puxar nem empurrar. Logo depois da sua meditação, ao entrar na vida comum, será capaz de manter a mesma alegria, deleite, paz e equilíbrio.

Experiences of the Higher Worlds, p. 43-45

Dicas para meditação 40 – não exagere

 

Dicas para meditação 40 – não exagere

No começo, por favor, não fique perturbado se não conseguir meditar bem. Só Deus sabe quantos anos de prática alguém deve ter para se tornar um pianista muito bom. Se um ilustre pianista pensa no seu próprio nível quando começou a tocar, ele vai rir. É por meio do progresso gradual que ele atingiu o patamar atual na música. Também na vida espiritual, não se preocupe no começo se achar difícil meditar. Não empurre nem puxe. Dez minutos de manhã cedo são o suficiente.

Se meditar todos os dias, será capaz de fazer progresso na sua vida interior. Mas você tem de sentir que não pode comer uma refeição deliciosa todos os dias. Hoje, talvez você coma um prato muito delicioso. Então, por três ou quatro dias pode comer um alimento muito simples. Contanto que esteja comendo e arranjando um alimento nutritivo, saberá que está mantendo o seu corpo. Portanto, se tiver uma boa meditação num dia e no dia seguinte não conseguir uma meditação boa, não se sinta mal. Na vida espiritual, o seu negócio é meditar e meditar. Se num dia você não conseguir meditar muito bem ou de acordo com a sua satisfação, por favor, sinta que em algum outro dia o Senhor Supremo vai lhe dar de novo a oportunidade, a inspiração e a aspiração para meditar extremamente bem. Todavia, se você se sentir perturbado ou irritado, vai perder a oportunidade de meditar bem no futuro. A melhor coisa é ficar bem calmo, quieto e firme na sua vida espiritual. Você será capaz de meditar bem e a sua meditação será da mais alta categoria.

-Sri Chinmoy, Dependence and Assurance, p. 10-11

 

Pergunta: Recentemente, ao meditar, tenho tido sensações dolorosas. São ataques de forças não-divinas?

Sri Chinmoy: Não são forças erradas. Não são não-divinas no seu caso. São forças divinas, mas infelizmente você as está puxando muito além da sua capacidade. Seu receptáculo interior não é largo o suficiente para conter as forças que você está trazendo para baixo. É por isso que está tendo essas sensações dolorosas. De outro modo, haveria um fluxo suave, contínuo.

Ao meditar, por favor, sinta que a meditação não é a atitude de um glutão. Quando somos glutões, queremos devorar tudo. Nos tornamos devoradores vorazes e depois ficamos com dor de estômago. Na vida espiritual, temos de ir de maneira vagarosa, firme e sensata. Quando oramos e meditamos, em primeiro lugar precisamos saber da nossa capacidade. Aqui não estamos nos desencorajando. Se eu souber que a minha capacidade é correr cem metros, então vou correr cem metros por alguns dias ou alguns meses ou até mesmo, se a necessidade exigir, por alguns anos. Mas se eu tiver a capacidade de correr só cem metros e de repente quiser correr 400 metros, naturalmente vou desabar. Vou completar a corrida com uma enorme dificuldade e então vou cair. Simplesmente me arruinarei.

Aqui também, ao meditarmos temos de saber por quanto tempo podemos meditar com toda a alma: se por cinco, dez, quinze ou vinte minutos. Depois desse período, podemos ter um tipo de cobiça inconsciente. Se sentirmos que podemos conseguir tudo numa só noite, vamos todos virar almas realizadas em Deus. Mas esse tipo de avidez será a causa da nossa queda.

Ao orarmos e meditarmos, temos de saber da nossa capacidade: quanto podemos nos esforçar e quanto amor, devoção e entrega com toda a alma temos por Deus. Uma criancinha tem uma certa força. No entanto, ela não sabe que, quando puxa algo grande para baixo, imediatamente isso cai e quebra as suas mãos e os seus braços. Assim como a criança, estamos puxando para baixo alguma coisa bastante pesada. É pesada no sentido de que tem um enorme poder. E aonde é que vai esse poder que você invocou? Naturalmente, esse poder é bom, mas por causa da sua imensidade, não poderá permanecer dentro de você. Você não está em condições de abrigar esse poder.

Ao meditar de manhã, por favor, sinta a necessidade de ver a sua capacidade. Você agora está em condições de comer apenas três fatias de pão. Se vir que alguém ao seu lado está comendo seis fatias de pão, vai pensar: “O que há de errado comigo? Por que é que não posso comer seis fatias?” Mas deixe-o comer as seis fatias se ele tem a capacidade. Talvez haja alguém ao seu lado que não consiga comer sequer uma fatia. Ele pode pegar só meia fatia de pão. Assim, de acordo com sua capacidade, de acordo com sua fome interior, você vai tentar satisfazer a si mesmo. De acordo com a capacidade dos outros, eles vão fazer a mesma coisa. Portanto, as forças de que você está falando não são não-divinas. São forças divinas, mas o problema surge porque você está tentando puxá-las além da sua capacidade.

Palmistry, Reincarnation and the Dream State, p. 25-27

Dicas para meditação 38 – Receptividade e Assimilação

Dicas para meditação 38 – Receptividade e Assimilação

Sri Chinmoy: Ao meditar, a receptividade é de importância fundamental. A riqueza espiritual é como o sol. A luz do sol é para todos, mas se você fecha todas as janelas e portas da sua casa, então como a luz do sol pode entrar? Quando o Mestre medita, traz lá de cima Paz, Luz e Felicidade. No entanto, se você mantiver a porta do seu coração fechada, o que ele trouxer não será capaz de entrar.

Sempre digo aos meus discípulos que mantenham os olhos abertos enquanto meditam. De outro modo, estarei no meu mais elevado e vocês estarão no seu próprio mundo. Às vezes, estou trazendo Paz, Luz e Felicidade infinita, mas vocês estão no mundo do sono. Se os seus olhos estiverem abertos, verão a fonte, de onde tudo está vindo, nos meus olhos. Os meus olhos estão apenas trazendo Paz, Luz e Felicidade lá de cima.

A melhor maneira de receber durante a meditação é por meio da gratidão. Você está oferecendo gratidão ao Supremo porque ele o escolheu para estar no Barco Dele. Já que a sua consciência está elevada, você está buscando o que estou trazendo para cá. Alguns nem vêem isso. Outros vêem, mas acham que não precisam disso. Todavia, você vê e está faminto. Outros não estão famintos, apesar de verem a comida; ou estão famintos, mas não querem comer o alimento que o Mestre quer fornecer. No seu caso, você está faminto e reconheceu o fato de que existe alguém com o alimento.

E quem criou a sua fome? Não foi você quem a criou. A pessoa com o alimento a criou em você. Então você é grato à pessoa mais uma vez. E a sua gratidão vai diretamente ao Supremo. Ela não vem para mim. Eu sou apenas o mensageiro. Ela vai à Fonte, ao Supremo.

Se tiver uma meditação elevada, não deveria falar logo após ela. Deveria primeiro tentar assimilar o que recebeu. Uma vez que a assimilação acontece, ela se torna propriedade sua. Antes disso, ela pode desaparecer. Se alguém disser: “Como vai você?”, ele pode levá-la embora. Porém, uma vez que você a assimilou no seu sistema, ela se tornou sua. Pode acontecer também na meditação de, enquanto você recebe, estar assimilando também. Assim, quando for a hora de parar a meditação, estará tudo assimilado.

       Sri Chinmoy Speaks 6, p.16-17