A meditação no controle da vida

Perdi o controle da minha vida, e agora?

por Juliana Francisco

 

Antes de começar a minha busca consciente por autoconhecimento e meditação, comecei a sentir que não tinha o controle da minha vida, que tudo que eu achava que tinha não era real. Exemplo: perdi amigos que achava que eram meus verdadeiros amigos; perdi familiares, que supostamente deveriam me amar do jeito que sou; perdi a motivação para prosseguir trabalhando na minha área de atuação, que por sua vez era uma das coisas que me definiam, pois vivi para construir a carreira que tinha; perdi os interesses comuns como compras, viagens, comidas, bebidas e festas, enfim, a impressão que tinha era de que nada estava dando certo. Toda a vida que sonhei, que construí, que me definia, parecia nunca ter existido ou mesmo que não me pertencia.

Esse sentimento de perda de controle da vida comum, foi muito difícil para mim. Eu costumava ser o tipo de pessoa que sabe de tudo, que tem controle sobre tudo, que aconselha as pessoas, pois sabe viver sua vida, e, de repente, tudo muda. Não sabia quem eu era, o que eu queria, qual era o sentido da vida e porque as coisas que tinha não me satisfaziam mais. O mais difícil foi não ter com quem compartilhar esse sentimento, mesmo em casa. Eu não queria mais nada da vida e “queria algo a mais”, não queria as coisas triviais, que no geral buscamos, como dinheiro, poder, fama, bens materiais e prazeres comuns. Isso não me satisfazia. E uma das coisas mais incompreendidas por mim é o fato de “não querer nada”, “não desejar nada”; eu sempre fui o tipo de pessoa que tem objetivos claros, metas e ação para alcançá-los. Então foi super assustador perceber que não queria nada e ao mesmo tempo ter de viver a vida comum, que todos vivem. Afinal, temos de pagar nossas contas. Mas depois fui percebendo, ao longo da minha busca por “algo mais”, o que estava acontecendo comigo.

Tem uma história, que Sri Chinmoy conta no livro “O Herói Divino” que diz assim:

Um bom homem e um homem mal eram vizinhos. Um dia, o homem mal disse, “Você tem que desenvolver qualidades artísticas. Você tem que ir a bons clubes e aprender sobre cultura, filosofia, espiritualidade a muitas outras coisas.” O homem estava hesitante. Ele disse, “Não, não. Para mim, é melhor eu ficar em casa e ler livros religiosos e espirituais”. O homem mal disse, “Ao menos venha ao meu clube uma vez e veja o que você gosta. Você está fadado a aprender algumas coisas que são necessárias na vida humana.” O bom homem concordou, e juntos foram ao clube. Eles leram em voz alta livros espirituais e religiosos e discutiram todo tipo de coisa. Depois da discussão, eles começaram a beber. Eles tiveram uma maravilhosa discussão cultural, religiosa, espiritual e filosófica e então começaram a beber!

Quando o bom homem voltou para a casa, sua esposa não pode acreditar no que viu. O que você fez? Eu não consigo te reconhecer!
Ele disse, “ Eu bebi vinho”;

Sua esposa ficou furiosa. “Como pode fazer isso?”, ela gritou.

O marido disse. “Meu amigo me disse que isso era bom. O Senhor Indra costumava beber néctar. Seu néctar e meu vinho são as mesmas coisas”.

A esposa estava extremamente irritada. “Não, não. Você não pode beber. Você não deve beber”!

O homem disse, “ok, eu te prometo não beber nunca mais”.

Ora, uma vez que você bebe, você é pego. Quando seu vizinho o convidou a ir ao clube novamente, o homem disse, “Minha esposa ficará furiosa. O que vou fazer?”

O amigo perguntou, “Me diga francamente, você gostou?”

“Sim, eu gostei, mas agora terei uma briga em casa. Terei uma guerra!”.

O vizinho disse, “Não, não, não, desta vez nada irá acontecer. Você apenas tem que vir comigo. Eu te asseguro que nada irá acontecer”.

O bom homem foi ao clube novamente. Ele aproveitou a discussão filosófica, espiritual e outros tipos de coisas. Quando, com seu amigo, ele voltou para casa, muito bêbado, sua esposa estava esperando. Ela disse, “Você prometeu não fazer isso”! Então ela falou que queria deixá-lo.

O bom homem disse, “Não, desta vez minha promessa será definitivamente sincera. E nunca, nunca mais irei lá novamente”!

A esposa disse, “Porque você está mentindo? Você disse da última vez que não iria lá novamente!” Ele replicou, “Mas mesmo o Senhor Indra disse muitas mentiras.” A sua esposa disse, “Você é outro Senhor Indra para dizer mentiras o quanto quiser?”

O marido disse, “Indra disse muitas, muitas mentiras e até mesmo roubou uma vaca. Eu nunca roubei nada, então Indra estava um passo à frente de mim. Indra era um ladrão, enquanto que eu sou apenas um mentiroso. Indra nos ensinou como dizer mentiras. Se Indra, o deus cósmico, pode dizer mentiras, o que há de errado em um ser humano dizer mentiras?”

No dia seguinte era feriado para o marido, então ele não foi trabalhar. Sua esposa era devotada a ele. Todo dia pela manhã, ela preparava o café da manhã, depois o almoço e a janta. Geralmente ela preparava o café da manhã por volta das 8h, mas era 11h e ainda a sua esposa não havia feito o café da manhã. O que ela está fazendo? Ela está costurando uma peça de roupa para ela? Finalmente ele pediu para seu filho dizer para sua mãe que estava ficando tarde e ele estava extremamente faminto.

A mãe disse ao seu filho, “Por favor, por favor, meu filho, meu querido, não se envolva na nossa briga – apenas observe e aproveite o que está acontecendo.”

Seu filho disse, “Eu não quero me envolver nesta briga Mãe. Por favor, cuide disso.”

Em breve era 13h, então 14h. Ainda a esposa não havia dado nenhuma comida ao marido. Ele estava ficando furioso e finalmente disse,

“Que tipo de esposa é você?”

Sua esposa disse, “Desde que você se tornou outro Indra, eu sou definitivamente Sachi, esposa de Indra. Quem pode dizer que Sachi já cozinhou? Ela tinha muitos, muitos empregados e cozinheiros para ela. Eu sou a Sachi agora, então eu não preciso cozinhar nunca mais. Deixe-os cozinharem e te servirem, porque de agora em diante, eu farei o que eu quiser fazer; sou uma rainha. Indra era um rei e reis possuem todo tipo de cozinheiros a empregados. Eu sou uma rainha, então farei o que eu gostar. Eu não vou cozinhar para você nunca mais.”

O homem estava tão triste e perturbado em ouvir as palavras da esposa. Ele disse, “Eu nunca, nunca mais irei com meu amigo ao clube.

Eu permanecerei devotado e fiel a você. Está é minha absoluta e solene promessa.”

O filho deles estava muito feliz que seus pais se reconciliaram. Daquele dia em diante, a esposa cozinhou e fez tudo para seu marido, como sempre, e seu marido manteve sua promessa. Ele não foi mais ao clube com seu amigo. Isso foi como a esposa ensinou uma lição ao marido.

Quando encontrei o curso de meditação aqui em SP, comecei a praticar a meditação diariamente, ao menos duas vezes ao dia, a ler livros espirituais e me autoconhecer. Então percebi que Deus, é maravilhoso, mas o problema é que ele as vezes se esconde, ele brinca conosco, faz como a “esposa” fez com o “marido”, até que a gente perceba que tem algo errado, sinta a “fome” por algo mais e cumpra a nossa promessa.

Eu sinto isso, eu acabei aproveitando as coisas da vida, foi bom até certo ponto, fazia por que todos fazem, como o “marido” fez, foi bom, mas depois, quando Deus se escondeu, eu percebi que queria o que era realmente importante para mim. E só percebi isso, quando Deus, “a esposa” se fez ausente. Quando a “fome” apareceu.

Sri Chinmoy diz que cada alma faz uma promessa a Deus antes de vir a terra. Quando nos mantemos no caminho que prometemos, nos sentimos satisfeitos, felizes, com um sentimento de que “estamos no caminho”. É assim que me sinto agora. No caminho. Sei que a caminhada será longa, mas não estou só. A vida voltou a estar no meu controle, mas porque sei que não tenho o controle sobre ela. Nunca tive o controle, percebo que Deus, o Arquiteto, Alá, Vácuo quântico ou qualquer nome que você queira dar para esta força que rege tudo, sempre esteve no controle de tudo, mas eu estava seguindo um caminho diferente daquele que me comprometi. Para algumas pessoas é assim, e vejo hoje, conversando com meus colegas de meditação que é isso mesmo. Para algumas pessoas, há satisfação em viver o ciclo de vida comum, como fazer a faculdade, casar, ter filhos, bens materiais e morrer, mas para outras, como eu e meus amigos da meditação, não. Precisamos de algo a mais para nos sentirmos felizes e satisfeitos.

 

Deus está mantendo Sua Promessa.
Ele está segurando você
Cuidadosamente e firmemente
E te impedindo de balançar.
Talvez você, também,
Fez uma promessa solene a Deus.
Talvez!

-Sri Chinmoy

Meditação no trabalho – efeitos e experiências no ambiente de trabalho

Pergunta: Qual é a melhor forma de ficar numa consciência divina enquanto estamos trabalhando duro?

Sri Chinmoy: A melhor forma de permanecer numa consciência divina é parar o que está fazendo por três minutos a cada hora. A cada hora fique sozinho por três minutos. Ao final de cada hora, não importa o que esteja acontecendo, fique sozinho e medite por três minutos. Esses três minutos terão um poder tremendo. Se puder meditar por três minutos e obtiver paz, luz e confiança, manterá essas qualidades por uma hora facilmente. Você pode estar numa sala ou na rua, mas ninguém deve estar com você ou perto de você quando meditar. Essa é a melhor maneira de permanecer numa consciência divina enquanto trabalhar.

Nas últimas três semanas em particular, meu trabalho tem sido muito, muito, incrivelmente cansativo. Mas hoje tive uma experiência incomum.

Uma das minhas chefes chegou junto comigo no trabalho, e logo veio me dizer: “Hoje eu sonhei com você. Você estava indo para um lugar muito importante. Aí fiquei curiosa, queria saber se estava tudo bem?” Ela até disse que, depois do sonho, ficou inspirada a ler um pouco mais sobre o meu Mestre, Sri Chinmoy.

Eu contei para ela que estava indo no dia seguinte para Nova Iorque para visitar o meu Mestre espiritual. Isso é algo muito importante, e, além das experiências interiores e exteriores, inspiração e purificação que acontece nessas viagens, contei para ela que, ao sentar no avião na viagem de volta, sinto-me uma pessoa completamente diferente daquela que sentou-se no avião na viagem de ida. É como se uma vida inteira tivesse passado. Acho que é uma medida subjetiva do progresso que fiz durante a viagem. É uma viagem muito importante, exatamente como o sonho dela a descreveu.

Não preciso dizer que ela ficou impressionada com a “coincidência” de eu estar viajando para NY 36h depois do sonho.
Foi de fato muito interessante uma colega de trabalho, com quem não costumo conversar todos os dias, ter uma experiência dessas.
Eu nunca fiz nada extraordinário de forma consciente pelos meus colegas, exceto as coisas normais do dia a dia. Tentar ser educado, sincero, etc. Eu medito de manhã cedo todos os dias faz 16 anos e também medito por alguns minutos antes de começar o meu trabalho.
Mas acho que, sem eu ter qualquer intenção, sem eu ter qualquer capacidade de fazer algo por alguém, algo que recebo durante a minha meditação os meus colegas o recebem em algum grau. Num exemplo análogo, se você começa a trabalhar numa firma X, talvez desenvolva interesse em aprender sobre X. Se seus colegas de trabalho na firma Y gostam de fazer Y nas horas vagas, talvez você comece a sentir vontade de fazer Y. Igualmente, acho que um pouquinho do que eu recebo, (por uma graça incondicional, preciso dizer), é compartilhado com as pessoas ao meu redor.

A experiência de hoje é uma de muitas que tive nos meus 15 anos de trabalho. Em todo lugar que trabalhei, a cada ano que passa, a cada novo prédio para onde vou, a cada seção nova onde sou lotado, acontece alguma coisa assim, que me deixa inspirado e, ao mesmo tempo, traz um sentimento de humildade, de gratidão por poder presenciar essas coisas, já que eu mesmo não fiz nada.
Sinto que estou cumprindo o meu dever: ao mesmo tempo como buscador espiritual, como alma aspirante e como um funcionário simples, mas sincero.

Acho que é uma das coisas bonitas do caminho de Sri Chinmoy. Ele pede que seus alunos tenham trabalhos normais. Ou seja, para nós, não há aquela opção tradicional de deixar a família, meditar na caverna ou num mosteiro ou na floresta. Sinto que, como discípulos desse Mestre, parte do nosso dever é interagir com sabedoria prática e uma normalidade espontânea, sincera, de um buscador espiritual vivendo num mundo moderno e repleto de oportunidades e novas possibilidades florescendo a cada dia.

Mais sobre dicas para meditar no trabalho