Formas de meditar diferentes: a ação

playlist de música para meditação

 

Formas de meditar diferentes: a ação

por Patanga Cordeiro

 

Hoje sigo com mais uma pequena história do meu cotidiano.

 

Passei o dia no nosso centro de meditação fazendo reparos, podando e jardinando, planejando melhorias, acompanhado de um dos meus colegas.

 

Ao fim da tarde, apesar de eu não ter feito várias coisas que gosto de fazer principalmente nos domingos, eu estava me sentindo muito bem, simplesmente feliz, feliz sem motivo, feliz de estar satisfeito.

 

Uma parte disso se deve, acredito, por ter feito trabalho simples, manual, longe do computador e telefone (só fui ver meu telefone no fim da tarde, porque me avisaram que alguém queria falar comigo, mas estava tudo resolvido quando liguei).

 

Quando fui almoçar, pelas 14h, passei na frente da foto de Sri Chinmoy. É a foto que uso para meditar todos os dias. Naquele momento, essa foto parecia tão viva, como se estivesse dentro de mim, ou como estivesse compondo os meus arredores, as coisas que existiam no meu dia.

 

Eu não estava me sentindo particularmente elevado, mas, quando penso bem, estava servindo, estava fazendo algo com um significado interior, estava ocupado com algo luminoso, estava sempre em silêncio ou falando coisas boas.

 

Tive a sensação de que fiz muito progresso nesse dia. De que melhorei muitas coisas. A única coisa que fiz foi cortar galhos, limpeza, com uma companhia espiritual, num ambiente espiritual. Mas tive o resultado de como se tivesse uma meditação profunda, que é algo que acontece apenas raramente durante o meu horário de meditação propriamente.

Hoje é o dia, agora é a hora para meditar

Agora é a hora

Para fazer um bom uso do tempo.

Hoje é o dia

Para começar um perfeito dia.

-Sri Chinmoy

O dia e a hora para meditar é agora

Recentemente, por estar mais tempo trabalhando a partir de casa, estive pensando em usar melhor o meu tempo. Por não gastar tempo com o transporte, o meu dia ficou mais longo. No entanto, percebi que não estava me dedicando mais à meditação, ao canto e aos esportes. Acabei simplesmente desperdiçando o tempo extra que ganhei. E senti que é um desperdício como o de desperdiçar comida, dinheiro, etc, mas pior. Cedo ou tarde, todos teremos de chegar à iluminação, e é por isso que estamos vivos. E eu aqui, desperdiçando tempo que, por um milagre, ganhei para uso no meu dia.

Isso foi crescendo, e um dia, após uma meditação, eu senti aquele “agora chega”. Fiz uma lista de prioridades, coisas que devo fazer. Algumas delas: meditar um pouco mais de manhã cedo; meditar por alguns minutos de hora em hora durante o dia (coloquei um despertador); fiz um plano para aprender novas canções durante o dia, etc. No dia seguinte, eu teria um dia diferente.

Ao sair para correr, troquei a página do meu calendário, e lá estava a mensagem de Sri Chinmoy:

Agora é a hora

Para fazer um bom uso do tempo.

Hoje é o dia

Para começar um perfeito dia.

-Sri Chinmoy

E o sentimento que tive, ao ver o aforismo assim, tão claro, exatamente o que eu estava pensando, foi que Sri Chinmoy, meu Mestre espiritual, em si estava me inspirando a melhorar, a usar melhor meu tempo, e me ensinando o que realmente importa na vida.

E, ainda mais, com o gracioso toque de colocar o aforismo para mim, para fortalecer a minha promessa, para me dar inspiração, alegria e gratidão.

Meditação como uma ferramenta para autoconhecimento

playlist de música para meditação

Muito tem se falado ultimamente sobre meditação como algo terapêutico, para ajudar a aliviar o stress ou a ansiedade. Contudo, a meditação é uma poderosa ferramenta para o autoconhecimento e autotranscendência, de acordo com os ensinamentos do professor de meditação Sri Chinmoy que continuam sendo difundidos por seus alunos por meio de cursos de meditação gratuitos no mundo todo, e também em São Paulo.

 “Com sua boa vontade e determinação você pode usar esse instrumento para descobrir o que existe de real dentro de você e fazer da sua vida algo mais pleno, indo além do vazio, frustração, dúvida ou qualquer imperfeição que considere um obstáculo. Todavia, para isso é preciso praticar com disciplina e sinceridade, como um atleta divino. Uma vez que isso faça parte da sua vida, naturalmente vem um sentimento de satisfação, de a vida valer a pena, de tudo fazer sentido e ter um propósito, de se sentir verdadeiramente feliz mesmo sem ter acontecido nada de bom”, define.

De acordo com o que Sri Chinmoy deixou de ensinamento, a meditação não significa apenas sentar quietamente em silêncio por cinco ou dez minutos. “A meditação requer esforço consciente. A mente tem que ser posta calma e quieta. E, ao mesmo tempo, tem que ser vigilante, para não permitir que qualquer pensamento ou distração ou desejo perturbador, entre”, explica Sri Chinmoy.

É a partir desse ponto, quando amente se torna calma e quieta, é que é possível sentir que uma nova criação está se despertando dentro de si. “Quando a mente está vazia e tranqüila, e nossa existência inteira torna-se um recipiente vazio, Deus a preencherá com paz, luz e bem-aventurança.”

Nos cursos de meditação gratuitos em São Paulo, muitas pessoas procuram a meditação porque sentem que precisam de algo a mais na vida, uma felicidade maior, mas ainda não sabem o que é. Por meio da meditação no coração, como a ensinada nos cursos, é possível encontrar as respostas.

“Sri Chinmoy ensinou para nós que a meditação faz com que nos tornemos inseparavelmente um com o mundo inteiro. Quando queremos alcançar paz, luz e felicidade ilimitadas, a meditação é a resposta. O mundo precisa de uma coisa – paz – e a meditação é a resposta”,diz Patanga.

Exercício de meditação no coração para fazer em casa

O Centro de Meditação Sri Chinmoy em São Paulo costuma oferecer cursos mensalmente, porém, Patanga Cordeiro compartilhou conosco um dos exercícios ensinados por Sri Chinmoy que é possível fazer em casa:

A vastidão do céu

“Mantenha os olhos semi-abertos e imagine o vasto céu. No começo, tente sentir que o céu está diante de você. Mais tarde, tente sentir que você é tão vasto quanto o céu, ou que é a própria vastidão celeste.

Depois de alguns minutos, feche os olhos e tente ver e sentir o céu dentro do seu coração. Por favor, sinta que você é o coração universal, e que dentro de si mesmo está o céu em que meditou e com o qual se identificou. Seu coração espiritual é infinitamente mais amplo do que o céu. Portanto, você pode facilmente abrigar o firmamento dentro de si mesmo.”

-Sri Chinmoy, do livro Meditação: Homem-Perfeição na Deus-Satisfação

Contando suas experiências interiores de meditação para os outros

Você pode explicar o valor de tentar contar aos outros suas experiências interiores?

Sri Chinmoy: Alguns Mestres aconselham seus discípulos a compartilharem suas experiências apenas com eles. Na maioria das vezes não é aconselhável compartilhar as experiências interiores de alguém com outros. Suponha que você tenha tido uma muito elevada esublime experiência.Mesmo se você contá-la a seu amigo mais íntimo, o ciúme dele poderá tentar devorar a riqueza, a realidade viva da sua experiência. Ocorre algumas vezes que ao dividir suas experiências com um iniciante, este irá tentar ter a mesma experiência de qualquer jeito.Na vida espiritual isso nunca acontece. O progresso espiritual é um processo lento, constante e gradual. Por você ter provado uma manga e me contado, eu poderei talvez subir na mangueira.Mas se não souber como subir, ao tentar eu cairei e irei me machucar. Outra coisa: se você contar suas experiências interiores para outros, o orgulho humano deles poderá entrar em você.

Experiências interiores somente devem ser compartilhadas com a permissão do Mestre.

Se a pessoa não tem um Mestre,deve então mergulhar dentro de si profundamente e ouvir os ditames da sua alma. Se a alma ou o Mestre pedir a um ao buscador que compartilhe suas experiências com o resto do mundo, não haverá problema então. Pode ocorrer nesse caso que se a pessoa contar suas experiências, seus amigos fiquem inspirados a entrar no mundo de aspiração. Porém é sempre aconselhável perguntar ao Mestre ou ir fundo dentro de si, para saber quando se deve compartilhar suas experiências. De outra forma isso poderá criar resultados imprevistos e deploráveis para o próprio buscador ou para os outros com quem ele tenta compartilhar suas próprias experiências.

Quando estamos no mundo exterior, estamos livre e desimpedidos para falar de nossa vida espiritual ou devemos reservar isso só para os que aspiram?

Sri Chinmoy: Se você falar sobre suas experiências, poderá ficar em apuros.O solo tem que estar fértil. Se as pessoas são genuínas e sinceras, então sua conversa será frutífera. Do contrário, eles terão todo o direito de não compreendê-lo e ridicularizá-lo.Você pode não se importar se alguém zomba de você, porém a pessoa que não se beneficiou ou não se inspirou com o que você disse, infelizmente poderá tentar bloquear sua própria inspiração e aspiração. Nós devemos então usar nossa sabedoria que ele também é uma criança de Deus; deixe o momento do seu despertar chegar na Hora escolhida por Deus.Não é da sua conta acordá-lo. Quando alguém está pronto, clamando por uma vida mais elevada, aí então é a hora de você acordá-lo do sono que é a ignorância.

Se você der uma nota de mil dólares para uma criança, ela a rasgará. Para ela a nota não tem valor. Porém um adulto saberá o valor dos mil dólares. Similarmente quando você compartilha suas experiências interiores com um aspirante ou buscador, ele irá se beneficiar com isso. Ele sabe quão difícil é ter uma experiência interior. Aqueles que clamam pela vida interior, são as pessoas certas para compartilhar suas experiências.

Sou um novato na vida espiritual e sinto uma urgência incontrolável de compartilhar as minhas experiências espirituais com todo mundo que eu encontro. É verdade que isso não é algo desejável?

Sri Chinmoy: Se você estiver interiormente inspirado para compartilhar suas experiências com uma determinada pessoa, isso será maravilhoso. Se seu Piloto Interior disser: ”Faça isto!” então faça, mesmo que o mundo inteiro rejeite a sua verdade. Contudo, se Deus não o inspirar, se o Piloto Interior não aprovar, então o que acontecerá? Você apenas se vangloriará com todos, das experiências que teve. Alguns irão zombar de você, arruinando toda a sua alegria e inspiração, alguns irão duvidar de você, fazendo você duvidar de si mesmo e alguns irão ter inveja de você e irão esfaqueá-lo internamente com todo o poder-pensamento não divino deles. Assim, suas experiências desaparecerão, sua aspiração decairá e você perderá toda a sua alegria e inspiração.

Quando você obtém inspiração para ajudar ou inspirara pessoas de algum modo, tem que saber se a mensagem que você quer oferecer para o mundo, foi aprovada por Deus ou ordenada por Deus. Se sentir que Deus pediu para você dividir suas experiências com alguém em particular, então o faça. Se a pessoa aceitá-las ou não, isso não terá importância.

Mesmo que sua experiência for absolutamente real, há algo chamado tempo que é um fator muito importante.Se o que você quiser oferecer for inoportuno, isso irá criar mais desarmonia do que harmonia no mundo. Se você der umaaula de universidade para uma criança que esteja no jardim-de-infância, somente irá confundí-la e massacrá-la. Similarmente, se oferecer sua realização interior para alguém que não estiver pronto, irá apenas destruir a pequena possibilidade que ele tiver. E se você mesmo não for espiritualmente forte, a outra pessoa poderá destruir a pequena capacidade que você tiver. Porém se deus pedir a você para ajudar outros, isso significa que ele já deu a você a capacidade deu aos outros a receptividade necessária.

___________________________

Como interpretar as suas experiências durante a meditação

O campo das experiências interiores é vasto e, para a mente, inconcebível, pois elas acontecem num plano muito mais profundo e real do que a mente – o coração, ou mesmo na alma.

Um buscador pode ter experiências mentais ou emocionais e considerar que são espirituais; ou pode ter experiências espirituais e considerar elas apenas coisas superficiais. Há um perigo em errar no seu julgamento em ambos os casos. Apenas um Mestre espiritual verdadeiro pode dizer a um buscador se as suas experiências são reais e espirituais ou se são fruto da sua imaginação ou emoção.
Traduzimos aqui algumas interpretações de experiências de meditação feitas por Sri Chinmoy, em geral verdadeiras. Esperamos que sirvam de inspiração ou esclarecimento.

Uma regra geral é que as experiências interiores são sublimes, sutis, energizantes e delicadas – no entanto, você sente uma paz sólida e repara que a sua vida muda rapidamente. As experiências “inventadas” ou “emocionais” costumam ser manifestações de desejos conscientes ou subconscientes, e instigam-nos a buscar reconhecimento, repetição da experiência, etc.

Em geral, há uma outra recomendação, de Sri Chinmoy, que pode sempre servir-nos. Quando tiver uma experiência, apenas procure ficar em silêncio, sem julgar, sem reagir. Deixe os dias passarem. O que importa é o que está mais dentro de nós. Se a experiência ocorreu lá, isso basta; você não precisa saber o significado. Se foi superficial, não dar atenção desnecessária também o protegerá de iludir-se.

Você pode ler sobre mais algumas experiências e como lidar com elas no livro impresso Meditação.

 

Perguntas, respostas e interpretações das experiências que temos durante a meditação

A experiência divina é alcançada através da meditação?

Sri Chinmoy: Através da meditação certamente teremos experiências divinas. A meditação é o meio. Meditando, certamente haverá experiências divinas. Sem meditar, haverá apenas experiências humanas, comuns. A meditação é a única resposta. A meditação é a chave para adentrar o mundo divino.

 

Na meditação profunda, às vezes sinto o meu corpo inteiro ficando dormente, como se fosse anestesiado. Só consigo mexer os olhos.

Sri Chinmoy: Essa é uma experiência muito boa, a experiência do silêncio. A mente se rendeu completamente ao coração durante a sua meditação. O coração leva a mente consigo, e ambas se entregam à alma. Então você tem o sentimento de silêncio estático. Tente permanecer nesse silêncio; não o tema. Você pode ficar nele por alguns dias ou mesmo um mês sem medo. Esse silêncio se tornará silêncio dinâmico. Você sentirá que no silêncio há uma criatividade espontânea, um movimento espontâneo, uma vida espontânea – a vida do despertar espiritual, experiência espiritual e revelação espiritual.

 

As pequenas experiências esporádicas que temos durante a meditação são partes da realização, ou são pequenos passos para a realização?

Sri Chinmoy: De uma certa forma, cada experiência o leva para a realização; cada experiência é um passo em direção à realização. Mas se, ao invés de andar devagar, pudermos correr muito rápido, não precisaremos de milhares ou milhões de experiências antes de realizar Deus. Cada experiência certamente nos auxilia; elas nos trazem confiança, alegria. Alguém pode dizer que quer comer uma manga hoje, uma laranja amanhã e outra fruta depois de amanhã. Antes de ele obter a fruta que considera a sua meta, terá várias pequenas sensações da fruta. Mas apenas quando comer a fruta que é a sua meta é que ele terá a satisfação plena. Se alguém é absolutamente sincero em dizer que não quer nada senão realização, essa pessoa dirá: “Não quero outra fruta. Quero apenas a fruta que é para mim, a fruta que é a minha meta, a fruta que me oferecerá a completa satisfação.

 

Quando medito, às vezes tenho a sensação de que estou olhando para todo lado. O que isso significa?

Sri Chinmoy: Quando medita, você está mesmo olhando para todo lado. A sua consciência está expandida. Você não é uma só pessoa dentre muitas na Terra; você sente que o mundo inteiro pertence a você e que você pertence ao mundo. O mundo pode considerar você como parte dele. Neste exato momento você não consegue reivindicar o mundo como parte de si. O seu irmão, irmã, o resto da sua família – eles são seus, mas é só. No entanto, quando sente que está enxergando tudo a seu redor durante a meditação, tudo é seu, todos são seus. Interiormente, tudo faz parte de si, e tudo que está ao redor você pode considerar parte de si. É uma ótima experiência.

 

Como posso ter uma experiência transcendental na minha meditação?

Sri Chinmoy: Se quer ter experiências transcendentais, precisará de uma meditação especial além de disciplina interior. Simplesmente fazendo algo intensamente não necessariamente alcançará o que procura. Digamos que cave num lugar onde não tem água. Você pode cavar e cavar, mas, se não houver água, de que adiantará? No entanto, ao cavar num lugar adequado onde há água, você a encontrará. Se tiver a meditação correta, a orientação correta e a auto-disciplina correta, certamente terá a experiência transcendental.

 

Durante a meditação, certa vez tive a experiência de que não estava dentro nem fora. Não havia solidez, nada concreto, objetivo ou real. Eu não sabia onde estava ou o que estava acontecendo.

Sri Chinmoy: Essa é uma boa experiência. Você não estava dentro nem fora. Onde estava então? Quando não está dentro, quer dizer que não está na sua realidade mais elevada. Quando não está fora, quer dizer que não está na sua energia que flui para o exterior. O interior leva a mensagem da pureza, e o exterior traz a mensagem da beleza. Você não entrou nas profundezas maiores, onde a pureza está grandemente presente, e também não entrou nas profundezas externas, onde a beleza se manifesta. Quando o interior se torna pureza, o exterior se torna beleza. É uma forma de vivenciar a verdade. Outra forma de vivenciar essa verdade é sentir que está num lugar segurando o mundo exterior de imperfeição e o mundo interior de perfeição. Você é a ponte entre a sua vida entre o mundo interior e exterior, onde não é nem o mundo interior e nem o mundo exterior. Você está trazendo o mundo interior para o mundo exterior para que possa se manifestar e está levando o mundo exterior para o mundo interior para que possa se realizar.

 

Ocasionalmente, vejo um pequeno lampejo, uma luzinha que vai até os seus olhos e viaja a todo o redor. Às vezes, ela viaja num padrão definido e eu a vejo enquanto estou meditando na sua foto. O que isso significa?

Sri Chinmoy: O significado espiritual eu posso dar, e se não o satisfizer, então você pode ir ao médico e ver se a sua vista está em ordem. Mas eu gostaria de lhe dizer que a luz que você vê é uma luz interior, e você a está vendo com a sua visão interior. Está vendo uma luz sutil ao redor das minhas sobrancelhas ou dos meus olhos, que pertencem ao físico em mim. Isso indica que a sua visão interior aceitou o físico e também está encorajando o físico. Ao ver a luz circulando em volta do meu olho, você precisa saber que a minha parte física se tornou uma com a sua aspiração. Eu incorporo a aspiração do físico em você e em todos os discípulos. Enquanto aspira, você vê o físico em mim assim como o espiritual em mim. Os dois não podem ser separados. A luz é o espiritual em mim e os olhos são o físico. Portanto, a sua aspiração, o seu clamor interior agora mesmo está clamando para ser apoiado ou encorajado ou satisfeito pelo espiritual.

Ao pensar em si mesma, pense que no físico está o seu clamor interior, a sua aspiração e a sua dedicação. Essa aspiração e essa dedicação não serão à toa. Serão coroadas com o sucesso. Serão premiadas pelo físico e pelo espiritual. O físico dentro de você está aspirando e a realidade de cima, do profundo interior, virá e premiará a aspiração do físico.

Portanto, a luz que você vê é a luz do Além. Quando você a vê circulando em volta do olho, significa que o espiritual está encorajando o físico para elevá-lo, transformá-lo e satisfazer a mensagem da realidade mais elevada O físico está aspirando e uma resposta está vindo da realidade e da divindade além do físico. Experiência muito boa, maravilhosa!

 

Se nós, discípulos seus, temos dúvidas quanto ao decorrer de uma ação e não sabemos qual é a vontade do senhor, como podemos decidir o que fazer? Meditar na foto do senhor vai solucionar a questão?

Sri Chinmoy: Vocês podem meditar na minha foto. Durante a meditação, conseguirão a resposta ou não. Não há uma regra predeterminada. Mas se conseguirem um tipo de alegria interior com uma resposta, então será a resposta correta. Se não há alegria, então a resposta não está vindo da foto. Está vindo da mente.

Há outra coisa importante que gostaria de dizer. Sempre que tiverem sonhos ou visões, por favor, não tentem interpretá-los ou pedir a outras pessoas que os interpretem, pois vocês vão cometer um erro terrível. Se vocês tiverem uma visão ou uma experiência interior, mergulhem profundamente em seus interiores e descubram o significado ou me perguntem sobre o significado. Se tiverem uma experiência maravilhosa, escrevam para mim. Posso não responder exteriormente ou dar uma mensagem interior específica, mas vou abençoá-los e apreciarei suas experiências. Se tiverem uma experiência realmente divina, meu ser interior saberá imediatamente.

 

Venho tendo experiências telepáticas com pessoas que se chamam de mágicos. Converso com eles enquanto estão em outros lugares. Posso entrar nesse reino quando quiser. Estou curioso em saber como você responderia a essas experiências.  

Sri Chinmoy: Do mais elevado ponto de vista espiritual eu gostaria de responder à sua questão. Essas experiências o ajudarão a ir mais rápido em direção à sua meta? Não, não ajudarão. Essas experiências são fascinantes, indubitavelmente, mas nunca o levarão à realidade. Pelo contrário: elas são tentações noseu caminho para a realização em Deus, a elevadíssima Verdade. Em nossa vida espiritual, muitas vezes temos experiências fascinantes e não queremos mais aspirar. É verdade que essas experiências podem nos incentivar, mas muitas vezes, quando temos experiências demais, entramos no mundo vital. Vemos um caleidoscópio: vemos todos os tipos de coisas belas, mas elas são só tentações. Suponha que você esteja andando por uma rua em direção a um lugar específico. Se vê árvores, flores e lagos bonitos pela rua, o que acontece? O cenário é tão bonito que você acaba descansando. Você diz: “Deixe-me ficar aqui e apreciar isso,” e então para e aprecia a paisagem. Mas o seu destino permanece uma meta distante.

Um buscador sincero sabe que a meta dele é a Verdade mais elevada. Ele não adiará a jornada. Mas, no seu caso, posso ver que você aprecia essas experiências; você dá a elas a sua atenção consciente. Isso é muito errado. Na vida espiritual, aspiramos pela mais alta Verdade, por Deus, e por nada mais. Essas experiências são verdadeiras tentações para você. Você deveria sentir: “Tendo realizado Deus, terei experiências infinitamente mais belas, significantes e frutíferas”. Com essa idéia, você deveria deixar de lado essas experiências telepáticas. Se sente que entrando nessas experiências ou permitindo que elas entrem em você, acalentando-as, conseguirá experiências mais elevadas, está enganado. Você não irá nem um pouco mais adiante. Se insistir nelas a toda hora, se estiver constantemente fascinado por elas e sentir que é parte delas, será pego por essas experiências. Muitas pessoas cometeram esse engano, e para elas a realização em Deus permaneceu uma meta distante.

Buscadores sinceros tomam essas experiências como obstruções no caminho. Por favor, não dê atenção a esses tipos de experiências. Elas são fascinantes, mas não estão satisfazendo a sua vida de dedicação, realização e manifestação. De manhã cedo, tente silenciar a sua mente. Se conseguir silenciar a sua mente, não terá essas experiências. Elas estão vindo do mundo vital até você. Você está acalentando essas criações do mundo vital e tentando colocá-las à sua disposição, como se fossem muito suas. Mas elas não podem levá-lo à Meta mais elevada. Se a sua intenção é o Altíssimo, então essas coisas têm de ser descartadas. Quero que você vá até alguém que o inspire a entrar no reino da pura aspiração. Você será capaz de trazer à tona a luz da sua alma e correr o mais rápido possível em direção à Meta mais elevada.

________________________