Como reconhecer um Mestre espiritual vivo

foto mestre espiritual meditar como

Nosso professor, Sri Chinmoy

Como reconhecer um Mestre espiritual vivo?

trechos do livro O Mundo Interior e o Mundo Exterior

Pergunta: Quais são as vantagens de entregar-se ao Mestre pessoal quando comparada com entregar-se ao Impessoal, ao próprio Espírito?

Sri Chinmoy: Para ser bem franco, existe somente um Mestre verdadeiro, tanto no Céu quanto na Terra, que é Deus. As pessoas me chamam de Mestre espiritual, mas eu gostaria de dizer que não sou um Mestre. O que sou é apenas um irmão mais velho para uma pequena família espiritual. Porque eu orei e meditei, ou porque o Supremo, em Sua Generosidade infinita, me deu um pouco mais de Luz que aos outros membros da minha família espiritual, eu tento auxiliá-los a alcançar a Meta altíssima.

Se um discípulo ver ou sentir Luz, luz Abundante no seu Mestre, poderá considerá-la uma parte de si mesmo através da sua unicidade com o Mestre. Então o discípulo deve sentir que essa Luz é algo que ele mesmo possui e que o Mestre a está apenas trazendo à tona. Ela era sua própria posse, seu tesouro; mas o aluno a perdeu, e aquilo ficou coberto pela ignorância. Agora o Mestre, com sua ilimitada Luz e carinho, entrou na ignorância do discípulo e acalentou lá a chama da aspiração, trazendo Luz para todo o seu ser.

O Mestre, tanto em seu aspecto pessoal quanto impessoal, é uma realidade. Funciona assim. Quando um discípulo vem até o Mestre humano, ele enxerga Paz, Luz e Deleite de acordo com a sua própria capacidade ou receptividade. Quanto mais alto e mais ao fundo for, mais sentirá que a Paz, Luz e Deleite que deseja podem ser obtidas do Mestre. Ele sente que seu Mestre é um canal direto do Altíssimo; seu Mestre representa, para ele, Deus na Terra.

Quando ficamos diante do mar, este parece muito vasto. A vastidão e extensão completas do mar estão além da nossa capacidade de compreensão. Então tocamos só um pequeno volume de água com nossas mãos ou pés. Assim que a tocamos, a consciência da água entra em nós. Sentimos então a capacidade e qualidade do mar ilimitado. De forma similar, quando o discípulo fica diante do seu próprio Mestre e enxerga ou sente a Luz do Mestre, isso representa a Verdade altíssima para ele. Quando um buscador enxerga seu Mestre como infinito, perfeito, ele consegue fazer o progresso mais rápido, pois possui um ideal diante de si. A Luz que enxerga no Mestre lhe traz um vislumbre do Altíssimo, do Infinito. A separação entre o Mestre pessoal e o Mestre impessoal, entre a personalidade e a impessoalidade, desaparece. Ele não enxerga o Mestre como um ser humano com um corpo humano. O buscador não vê o físico do Mestre como tal. O que ele enxerga vai muito, muito além da forma pessoal do Mestre – é algo que não pode ser compreendido pela mente física. Ele vê o Mestre como parte de uma Luz ou Verdade infinitas pelas quais esteve buscando por milênios.

Para cada buscador há apenas um Mestre. Esse Mestre pode ou não estar no físico, mas ele não é o físico em si. Ele é o Espírito transcendental da Infinidade. Um Mestre da mais alta ordem de fato personifica essa Paz, Luz e Deleite. Se dissermos que um ser humano, mesmo que seja um Mestre com milhões e bilhões de discípulos, é Deus, haverá um erro aí. Deus está dentro de nós, em cada indivíduo. Mas o verdadeiro Mestre, o Mestre de fato altíssimo e mais perfeito, está na Terra e no Céu. Ele não é a forma física, mas está presente no físico.

Se o aluno possui fé no Mestre, fé implícita, naturalmente ele faz o progresso mais rápido. Se chamamos essa pessoa de Mestre ou não é algo secundário, mas devemos ter fé nele. Na vida espiritual, a fé é de importância primordial. E ainda chegará a hora em que precisaremos reconhecer que ter fé no Mestre apenas não será suficiente para o que buscamos. Temos de ter fé em nós mesmos também. Se não tivermos fé em nós mesmos juntamente com a fé no Mestre, não poderemos ir longe. Contudo, se tivermos fé em nós mesmos, poderemos dizer que somos filhos escolhidos de Deus e que a Paz, Luz e Deleite infinitos são direitos de nascença. Se formos capazes de dizer isso, o fim da nossa jornada não será uma meta distante.

Pergunta: Como reconhecemos um Mestre verdadeiro vivo?

Sri Chinmoy: O buscador pode reconhecer um Mestre verdadeiro vivo se o seu ser interior e exterior ficarem inundados de deleite e êxtase quando se aproximar do Mestre. Ao ver um Mestre espiritual, mesmo que não seja o seu Mestre, alegria interior que sentirá lhe dirá se ele é real. Mas você também poderia estar diante de um Mestre verdadeiro e não sentir nada, pois você está numa consciência baixa. Contudo, se o seu coração estiver ansiando por um Mestre verdadeiro, você estará destinado a sentir algo quando ficar diante de um. E, se encontrar o seu próprio Mestre, encontrará tudo de que precisa para esta vida.


Relacionado

O Mestre Espiritual

Religião e meditação

religiao e meditacao foto

Religião e meditação

trechos do livro O Mundo Interior e o Mundo Exterior

Donna Halper: Pertencer a um grupo religioso específico seria contrário à prática da meditação? A meditação possui uma religião específica, ou qualquer pessoa, de qualquer religião, pode meditar?

Sri Chinmoy: A meditação transcende completamente os confins da religião. Pode-se ter qualquer religião. A meditação é como uma escola, e a religião é como uma casa. Você pode ir para a escola ou universidade independentemente da casa onde mora. Todos podem meditar, independentemente da religião a que pertença e mesmo se não tiver religião.

 

Donna Halper: Ou seja, quer alguém chame Deus pelo nome de Alá, Buda ou Vishnu, ou qualquer outro nome, a meditação é a mesma?

Sri Chinmoy: É uma questão de nomenclatura apenas. Uma criança chamará seu pai de ´papai´, mas ele é conhecido por outro nome no escritório. É como a água. Você a chama de ´water´ em inglês, mas um francês a chamará de ‘l’eau’ e um bengali a chamará de ‘jal’. É a mesma coisa, chamada por diferentes nomes.

 

Donna Halper: A meditação é uma espécie de soma ao credo religioso que já temos.

Sri Chinmoy: Sim, é uma soma. Ela é a essência interior de todas as religiões.

 

Donna Halper: Já que você mencionou isso, não há uma forma de meditação em cada religião? Eles podem não a chamar de meditação, mas as religiões todas possuem uma forma de meditação, não?

Sri Chinmoy: Toda religião encoraja alguma forma de comunhão interior com o Altíssimo.

 

Ouvinte: Se uma pessoa ignorante e sem quaisquer realizações for confrontada com uma situação de grande perigo no plano físico, que tipo de oração ela pode fazer para Deus nesse momento crítico? A morte súbita pode ocorrer para pessoas num avião ou nas ruas.

Donna Halper: Quando a vida de alguém está em perigo, essa pessoa pode realmente falar com Deus, mesmo que não tenha sido religiosa?

Sri Chinmoy: Somos todos filhos de Deus. Os pais sempre estão repletos de amor, mesmo por um garoto levado que não ouve o que eles dizem. Quando essa criança levada se encontrar em dificuldades, ela correrá para os seus pais, para que o ajudem. Os pais o recusarão nessa hora? Não. Os pais imediatamente o abraçarão e dirão: “Finalmente, meu filho, você veio me procurar para ajudá-lo.” De maneira similar, o auxílio de Deus está sempre presente, contanto que tenhamos um anseio sincero.

 

Donna Halper: Isso quer dizer que, se a pessoa que era contra a religião, que pensava que a religião era tolice ou não queria se envolver com a religião num momento de perigo recorrer a Deus, Deus a atenderá?

Sri Chinmoy: Certamente Ele a atenderá, mas do Seu próprio Modo, é claro.

 

Donna Halper: Ele aceitará a sinceridade dessa pessoa?

Sri Chinmoy: Se alguém ansiar sinceramente pelo auxílio de Deus, Deus certamente o ajudará. Depende da sinceridade do indivíduo.

 

 

Donna Halper: Você quer dizer que a pessoa que pensa de forma positiva, que pensa de uma forma honesta e sincera e se preocupa com todas as pessoas no mundo, essa pessoa usa a mente de uma forma espiritual?

Sri Chinmoy: Sim.

 

Ouvinte: Mas dizem que Deus é um Deus ciumento.

Donna Halper: É uma questão religiosa interessante. E quando dizem que Deus é ciumento?

Sri Chinmoy: Deus é ciumento apenas para aqueles que não vivenciaram Deus o Amado Supremo, Deus a Compaixão Eterna, Deus o Amigo Eterno.

 

Donna Halper: Você está dizendo então que Deus é um amigo?

Sri Chinmoy: Deus é o nosso Amigo Eterno e o nosso único Amigo.

 

Donna Halper: A pessoa que aceita a Bíblia como a palavra de Deus estaria enganada ao pensar que a Bíblia está totalmente correta em tudo que diz?

Sri Chinmoy: Se uma pessoa sente que o que a Bíblia diz é absolutamente correto e possui uma fé implícita nos seus ensinamentos, ela deve continuar na sua vida de fé. Mas se alguém diz que há algumas coisas que estão na Bíblia que não consegue aceitar, se quiser um novo esclarecimento ou uma nova iluminação na sua vida ao estudar outra fonte ou mergulhar fundo em seu próprio interior, essa pessoa pode muito bem fazer isso. Deus quer a nossa satisfação. Se alguém sente satisfação na fé absoluta na Bíblia, isso é ótimo. Mas, se não encontrar satisfação lá, poderá tentar estudar outra coisa. Deixe que estude a sua própria vida; que ele mergulhe fundo em seu interior para encontrar a verdade que o satisfará.

 

Pergunta: Você comentaria sobre o que está escrito na bíblia sobre quem não orar para Jesus Cristo irá para o inferno e que apenas através do Cristo pode-se encontrar salvação?

Sri Chinmoy: A minha resposta singela para essa pergunta é que você é quem deve acreditar ou não. Se você acreditar no que a bíblia diz, acreditará que, se não seguir seus ensinamentos, irá para o inferno. Mas, caso não acredite, não será obrigado a fazer o que o livro diz.

Houveram muitos Mestres espirituais de altíssima ordem na Terra. O Cristo não foi o único. Antes dele houve o Buda, e, antes dele, tivemos Sri Krishna. Mestres da mais elevada ordem caminharam a Terra. Recentemente tivemos Sri Ramakrishna e Sri Aurobindo. Contudo, se você acreditar naquele ensinamento em particular da bíblia, é algo particular seu. Se acreditar, prepare-se divinamente para que possa ir para o Céu imediatamente, ou então prepare-se para receber a sua punição.

Céu e inferno estão principalmente nas nossas mentes. Se você tem um bom pensamento, está criando o Céu. Se clama a Deus por Luz, então tem uma boa experiência, uma experiência iluminadora, e essa experiência nada é senão o Céu. Se você acalenta um pensamento negativo, está criando o inferno. Céu e inferno podem ser vivenciados diariamente.


Relacionado

Meditação Transcendental, Zazen, Zen-budista, Vipassana, Cristã, Budista, Tibetana, Shinsokan,

Caminhos espirituais – o caminho do amor, devoção e entrega

Ajudando os outros através da meditação

trechos do livro O Mundo Interior e o Mundo Exterior

Ajudando os outros através da meditação

livro meditacaoOuvinte: Eu gostaria de saber se é possível ser utilizado como um instrumento numa relação íntima com alguém.

Donna Halper: Uma pessoa pode ser usada como um instrumento de Deus e também ser um instrumento numa relação com alguém, onde Deus age em e através dela para auxiliar outra pessoa? Por exemplo, você acredita que as pessoas no mundo material podem se tornar instrumentos de Deus?

Sri Chinmoy: Facilmente. Somos todos instrumentos de Deus. Contudo, se estivermos envolvidos demais na vida material, não conseguiremos ser instrumentos escolhidos de Deus. Os instrumentos escolhidos de Deus são aqueles que praticam constante auto-doação. Eles não agem por si somente, mas para o mundo todo. Os instrumentos escolhidos possuem um coração vasto. Eles não tentam se confinar nas suas próprias realidades, mas buscam oferecer suas vidas ao mundo como um todo.

 

Donna Halper: Também é possível ser um instrumento de Deus numa relação com outra pessoa? Digamos que haja uma pessoa viciada em drogas. Você acredita que Deus possa talvez trazer alguém – uma pessoa comum – na vida da primeira pessoa para torná-la melhor?

Sri Chinmoy: Sim, certamente. Deus está dentro de todos, não apenas nos buscadores. Se alguém é viciado em drogas e possui um anseio sincero por deixar essa dependência, Deus trará alguém para resgatá-la.

 

Donna Halper: A nível pessoal, então, os nossos relacionamentos não são acidentais? Não encontramos um ao outro aleatoriamente, mas as pessoas se encontram porque Deus quer que elas se encontrem?

Sri Chinmoy: Não são todos os casos. Há algo chamado de a Hora de Deus. Quando a Hora de Deus soa, as pessoas necessárias aparecem. Não é certo dizer que toda pessoa que conhecemos foi enviada por Deus.


Relacionado:

Meditação e trabalho – dicas para o seu dia a dia no ambiente de trabalho

Curiosidades: projeção astral é possível? É recomendável?

trecho do livro O Mundo Interior e o Mundo Exterior

livro meditacaoDonna Halper: Agora receberemos as ligações da nossa audiência. Aqui está a primeira chamada. Boa noite. Você está no ar.

Ouvinte: Tenho muito interesse na projeção astral. Eu tive uma experiência três anos atrás em que deixei meu corpo. Eu tinha acabado de ler sobre aquilo, mas não o fiz conscientemente. Simplesmente aconteceu. Desde então eu estive tentando fazê-lo conscientemente. Gostaria de perguntar a Sri Chinmoy se isso é seguro. É seguro fazê-lo por conta própria?

Donna Halper: É uma pergunta interessante. Projeção astral, deixar o corpo; é possível fazer isso?

Sri Chinmoy: É possível, mas recomenda-se ter um professor que seja bem qualificado nessa aventura. Caso contrário, poderá ser algo muito perigoso. É como aprender a dirigir. Um professor é necessário no início. Ao tentar aprender a dirigir por conta própria, é bastante possível que a pessoa tenha um acidente.

Donna Halper: O que um professor pode ensinar sobre deixar o corpo?

Sri Chinmoy: Qualquer coisa pode ser ensinada por um professor qualificado. Se podemos aprender uma língua com um professor, se podemos aprender música, se podemos aprender dança, também podemos aprender sobre isso.


Relacionado:

Astrologia e meditação

Chakras, kundalini e prana

Sri Chinmoy e seus alunos de meditação

trecho do livro O Mundo Interior e o Mundo Exterior

Donna Halper: Você tem diversos alunos, entendo eu, que seriam considerados de classe média, no sentido de serem produtos de um lar norte-americano padrão. Os seus alunos continuam por muito tempo com você, ou passam a enxergar a meditação como uma moda e logo se cansam dela?

Sri Chinmoy: Ah, não. No meu caso, tenho sorte suficiente para dizer-lhe que os meus alunos encaram a espiritualidade e meditação com muita seriedade. Mas é claro que algumas pessoas vão embora. Contudo, comparando-se o número de pessoas que vieram com os que foram, estes foram muito poucos. A meditação não é algo que se torna tedioso após alguns anos. É porque as pessoas possuem formas fixas de pensamento, ou porque possuem problemas pessoais ou vitais, que elas vão embora. Por fim, elas acabam sentindo que essa forma de meditação não lhes é adequada mais. Mas isso não é porque a meditação chegou para elas como uma moda. Elas encararam a meditação com seriedade. Mas muitos pensamentos, muitos desejos, muitas fantasias e muitas idiossincrasias podem aparecer, e as pessoas sentem que o caminho não lhes é mais adequado. Então elas vão embora.

 

Donna Halper: Compreendo. Enquanto conversamos com Sri Chinmoy, se tiverem perguntas que gostariam de lhe fazer, vocês podem ligar para o programa. Se gostariam de falar com Sri Chinmoy e perguntar-lhe sobre meditação, Yoga ou sobre a vida em geral, por gentileza nos liguem. Vocês estão ouvindo “The Other Hour” aqui na WRVR.

Enquanto isso, continuaremos conversando. Sri Chinmoy, sei que você teve um número de músicos como seus alunos. A nossa audiência estaria interessada em saber por que você pensa que músicos que estiveram tão envolvidos no que se considera a vida material – drogas e coisas do tipo – poderiam buscar um Guru.

Sri Chinmoy: A resposta é bastante simples. As coisas que fizeram antes não os ajudaram a encontrar a verdadeira divindade dentro de si mesmos. Eles não encontraram o que estavam procurando e, portanto, quiseram buscar um Mestre espiritual que pudesse lhes auxiliar.

 

Donna Halper: Parece-me que você está dizendo que proporciona aos seus alunos aquilo que sente ser o que eles buscam.

Sri Chinmoy: Eu não dou nada; eu me torno um instrumento. Eu medito em Deus e oro a Ele para que conceda aos meus alunos aquilo que buscam, contato que sejam coisas boas, coisas divinas, coisas espirituais, coisas que valham a pena. Se o aluno anseia por algo muito terreno, por algo que o prenderá, serei a última pessoa a ajudá-lo a obter tal coisa.

 

Ouvinte: Como posso entrar em contato com Sri Chinmoy ou me tornar seu aluno?

Sri Chinmoy: Há diversas maneiras de me encontrar. Por exemplo, hoje à noite oferecerei um concerto aberto ao público. Se o buscador vier me ver e ficar inspirado, poderá perguntar como fazê-lo.

 

Pergunta: Qual é o principal fator contribuinte da sua fé e como ela difere das outras fés?

Sri Chinmoy: Primeiro de tudo, na vida espiritual não há um espírito competitivo e, portanto, eu não comparo o nosso caminho com os demais. Cada caminho tem seu valor. Cada caminho possui uma forma específica de guiar o aspirante à sua Meta destinada. O nosso caminho é o caminho do amor, devoção e entrega à Vontade do Supremo. É o que enfatizamos. Não posso dizer de que formas este caminho é diferente dos outros, pois não estou familiarizado com os outros caminhos.

Se alguém segue o nosso caminho, ele tenta desenvolver ou trazer à tona o seu amor interior, amor espiritual. Diferente do amor humano, que aprisiona, o amor divino expande e ilumina a nossa consciência interior e exterior.

Quando oferecemos devoção, o que oferecemos é a nossa devoção uni direcionada ao Supremo, o Piloto Interior dentro de nós. Na vida humana comum, o que chamamos de devoção nada é senão apego. Mas a devoção divina é completamente diferente. Estamos nos oferecendo à causa certa, ao divino em nós, para que possamos nos tornar um mar de Paz, Luz e Deleite.

A entrega que tentamos alcançar no nosso caminho não é aquela de um escravo ao seu senhor. O escravo sempre teme o seu proprietário. Ele sente que, se não agradar o senhor, este o ferirá. Sempre há um sentimento de medo no coração e mente do escravo. Já, na vida espiritual, quando o buscador se entrega à sua divindade interior, ao Supremo dentro dele, sente que está se entregando à sua própria parte mais elevada e iluminada. O buscador se entrega à sua parte mais elevada, à sua altitude mais elevada e à sua luz mais interior.

Num resumo, essa é a base do nosso caminho. Se eu comparar o nosso caminho com os outros, entrarei em tristes desavenças. Os outros caminhos também podem ser certos e perfeitos. Os principais são o caminho da mente e o caminho do coração. O nosso caminho é um caminho do coração. É uma questão individual do buscador decidir qual caminho lhe será mais adequado e então segui-lo. Por fim, quando um buscador alcançar a sua Meta destinada, lá ele também verá os buscadores que seguiram sinceramente outros caminhos. Todos alcançarão o mesmo destino.

 

Ouvinte: Você acredita que Deus está na mente?

Sri Chinmoy: Não apenas na mente; Deus é a mente. Contudo, saibamos primeiro de que mente estamos falando. Falando da mente física, a mente terrena, a mente que acalenta e valoriza inveja, mesquinhez e impureza, não é ela a mente que nos auxiliará na nossa busca por Deus. A mente que é tão ampla e vasta quanto o céu, a mente que aceita e ama o mundo inteiro, tal é a mente verdadeira. Dentro dessa mente Deus consegue agir muito satisfatoriamente. Saibamos primeiro de qual mente estamos falando.

 


Relacionado:

Cursos de meditação