por Patanga Cordeiro

meditacao vestibular

Sri Chinmoy meditando

Separei uma história da minha vida para contar para vocês. Mas, se esperam começar a meditar para conseguir passar no vestibular, talvez fiquem surpresos, pois não é como parece. A história vai além disso. Curioso(a)? Leia em frente.

Minha história começa enquanto trabalhava de dia e fazia à noite faculdade particular de sistemas de informação. Eu estava me programando para estudar para passar no vestibular na Universidade Federal do Paraná, que além de gratuita e de qualidade, ficava a poucas quadras de casa. Isso foi logo depois de eu ter visitado meu professor de meditação Sri Chinmoy em Nova Iorque pela primeira vez, em 2005.

Fazia já uns 4 anos que tinha terminado o ensino médio, então as matérias não estavam frescas na cabeça. Fiz a minha matrícula no cursinho Dom Bosco, que eu já tinha feito na época do ensino médio, mas, como não havia mais tempo e nem dinheiro, escolhi fazer o super intensivo, que é um cursinho de um mês apenas de duração, logo antes do vestibular.

Voltando da minha viagem com propósito espiritual, onde meditamos um bocado, por sinal, eu me sentia extremamente feliz. Tão feliz que ficou muito fácil definir prioridades. Aí vem a primeira surpresa da história: comecei a faltar as aulas na faculdade. Enfim, eu tinha coisas mais importantes para fazer, como participar das reuniões do nosso Centro de Meditação, aprender e decorar canções e mantras novos, praticar música, traduzir livros sobre meditação, correr, etc. Tudo isso era muito mais importante que as aulas. E eu me sentia cada vez mais feliz e satisfeito fazendo essas coisas. Fica difícil usar outras palavras, mas quem sabe “estar apaixonado por Deus” é uma maneira viva de descrever como eu me sentia. Era um sentimento de satisfação tangível, que fazia com que a minha intuição sobre o que fazer, falar ou escolher ficasse bem natural. Isso vai fazer todo o sentido no final da história.

Outra coisa que ajudou é que eu fazia muitas traduções dos livros de Sri Chinmoy, e por isso fui obrigado a aprender a escrever português corretamente (que foi um enorme desafio, acreditem!) e ajudou bastante na redação e na disciplina de português.

Começando o cursinho pré-vestibular

Chegou a época de começar o cursinho super intensivo – aulas à noite, só durante 4 semanas.

No mesmo ritmo de antes, participando das atividades quase diárias da meditação faltei quase todas as aulas do cursinho pré-vestibular, exceto as de matemática, que tinham peso dois para o vestibular do meu curso. Eu estudava no trajeto de ônibus entre o trabalho e as atividades da meditação. Isso é, quando não me enfezava e ia aprender mais canções ao invés de ficar estudando fórmula de Bhaskara. Eu chegava até a orar: “Supremo, se eu passar em segunda chamada, sétima chamada, ou qualquer chamada, já está mais que bom – passando já vai ser um milagre!”

No dia da prova do exame vestibular

Peguei a minha bicicleta e fui até o local de prova. Amarrei ela num poste e parei para meditar por uns minutos antes de me dirigir à sala. Logo senti novamente uma felicidade muito grande. Fui um dos últimos, e entrei na sala com o sorriso amplo (eu não sou de sorrir muito), e vi o rosto meio desesperado dos colegas na sala. Sorri para os que me olharam, desejando-lhes em silêncio o melhor.

Fiz a prova rapidamente, e fui um dos primeiros a entregar a prova e sair da sala. Eu nunca fui inteligente ou estudioso, nunca tive as melhores notas na escola, e faltei na maior parte das aulas do cursinho, mas, ainda assim, pensei novamente: “Supremo, quem sabe na segunda chamada eu passo – se Você quiser, se achar que mereço, Você me passará!”

O resultado do vestibular

As semanas se passaram enquanto esperava o resultado. Acho que foi no domingo de manhã, antes da divulgação oficial do resultado do vestibular, que recebi uma ligação do cursinho: “Sr. Patanga? O senhor foi aprovado em primeiro lugar no seu curso no vestibular! Gostaríamos que comparecesse aqui para fazermos uma gravação para a TV.” Eu perguntei se seria uma entrevista para conversar sobre o assunto, compartilhar como cheguei lá, mas me informaram que não teria conteúdo – seria só eu segurando algum tipo de troféu, uma propaganda para o cursinho. Então agradeci o convite e recusei, pois tinha coisas melhores para fazer com o meu domingo do que só mostrar a cara na TV.

Desligando, o telefone, eu não fiquei emocionado, nem feliz, nem nada. Parei pensativo. Peraí! Eu nunca estudei muito (mas estudei um pouco, quando dava), faltei quase todas as aulas (menos as mais importantes), e estava cheio de coisas que considerava mais importantes para o meu “eu” de verdade, que são as coisas da minha vida espiritual – ou seja, o vestibular realmente estava em segundo plano. Ainda assim, não só passei no vestibular da universidade federal, como passei em primeiro lugar!

Eu parei e pensei: “Deus, se Você queria me passar no vestibular, podia ser até em último lugar… porque em primeiro, então?” A conclusão que cheguei é que, se eu tivesse passado em último lugar talvez eu desse razão para outra coisa: tinha estudado um pouco, estava tranquilo no dia da prova, a competição podia estar mais fraca naquele ano, sorte nas perguntas que apareceram na prova, etc. Mas tirar primeiro lugar não se justificaria com isso. Ele foi um milagre. Claramente Alguém queria que eu soubesse que Algo especial havia acontecido. Senti também que foi uma confirmação que Ele quis me dar, dizendo que eu deveria continuar com a minha postura de priorizar a vida espiritual acima de todas as coisas. “Buscai o Reino de Deus e as suas coisas, e tudo o mais seguirá.”

Quando faço que eu posso,

O meu Amado Supremo faz por mim

O que eu não posso.

– Sri Chinmoy

No entanto, deixo uma recomendação: não vão parar de estudar por aí! Eu contei a minha história – a SUA história não será igual à minha. O que é importante é ouvir a sua voz interior. Não a sua voz de preguiça, nem a sua voz de grandiosidade. A voz do coração é sublime, sutil e poderosa. Ela quer a sua felicidade. A forma mais fácil de aprender a ouvir a voz do coração é através da prática espiritual, seja a oração ou meditação diária, como a primeira atividade do seu dia, logo após acordar.

Páginas recomendadas

Yoga e Meditação por Patanga Cordeiro, com respostas e aforismos de Sri ChinmoyYoga (ou ioga) é um termo do sânscrito que significa "união", em particular união ...
Aforismos de meditação de Sri Chinmoy Abaixo seguem alguns aforismos de meditação de Sri Chinmoy. Minha sugestão é que decore alguns para recitar durante o dia. Versão em PDF para download...
Drogas e meditação  Este post é um compilado de comentários de Sri Chinmoy sobre o uso de drogas no âmbito da busca espiritual.  Utilizand...