Introdução à meditação, parte 4 – largando para trás o bom por algo melhor ainda

The light in the heart of man

Can easily guide

The eyes of man.

 

A luz no coração do homem

Pode facilmente guiar

Os olhos do homem.

 

-Sri Chinmoy

 

 

Hoje estava meditando e tive diversos pensamentos bons e agradáveis no início da meditação. Por sorte ou Providência, imediatamente lembrei do que Sri Chinmoy fala sobre os pensamentos durante a meditação:

 

” A melhor coisa é procurar não permitir que nenhum pensamento entre na sua mente, seja ele bom ou ruim. Seria como se você estivesse no seu quarto e alguém batesse à sua porta. Você não sabe se se trata de um amigo ou de um inimigo. Os pensamentos divinos são os seus verdadeiros amigos, e os pensamentos não-divinos são os seus inimigos. Você gostaria de deixar seus amigos entrarem, mas não sabe quem eles são. E, mesmo que saiba, ao abrir a porta para eles, talvez veja seus inimigos ali também. ” (continua no fim do artigo)

 

Mesmo bons pensamentos o distraem da sua meditação. Tentei render, entregar esses bons pensamentos ao Supremo durante a meditação. Pensei algo como “Pode ficar com isto, e por favor me dê aquilo que Você queira me dar.” A meditação foi muito melhor!

 

Isso me fez lembrar também coisas “boas” que deixei para trás durante a vida, numa analogia à essa experiência. Estava fazendo faculdade, mas a abandonei para poder aproveitar oportunidades únicas na minha vida espiritual. Não me fez falta alguma. Tinha uma namorada, mas chegamos à conclusão que seria melhor nos separar para que cada um pudesse buscar as coisas da vida que considerasse mais importante. Foi um presente – eu nunca imaginaria o quão importante e de quanto auxílio essas decisões foram na minha vida espiritual. Na época eu não achava essas coisas ruins – elas eram boas -, mas tinha algo melhor ainda. Há uma outra parábola a se contar:

 

Um lenhador se embrenhou numa floresta, até que encontrou árvores de sândalo. A casca dessa árvore é muito valiosa. Ele pensou: “fiquei rico!”. Mas, em seguida, pensou: “Se aqui tem sândalo, será que não há algo mais valioso ainda mais adiante?”

Ele seguiu em frente, e encontrou prata. E seguiu mais em frente, e encontrou ouro. E seguiu mais em frente e encontrou diamantes.

Sândalo, ouro e almíscar – nossa busca espiritual

 

Sri Chinmoy sobre a importância de afastar os pensamentos durante a meditação

O ideal durante a meditação seria que rejeitássemos todos os pensamentos?

A melhor coisa é procurar não permitir que nenhum pensamento entre na sua mente, seja ele bom ou ruim. Seria como se você estivesse no seu quarto e alguém batesse à sua porta. Você não sabe se se trata de um amigo ou de um inimigo. Os pensamentos divinos são os seus verdadeiros amigos, e os pensamentos não-divinos são os seus inimigos. Você gostaria de deixar seus amigos entrarem, mas não sabe quem eles são. E, mesmo que saiba, ao abrir a porta para eles, talvez veja seus inimigos ali também.

Então, antes que seus amigos possam passar pela entrada, seus inimigos também entrarão. Pode ser até que você não perceba nenhum pensamento que não seja divino. No entanto, enquanto os pensamentos divinos estão entrando, os não-divinos, como ladrões, vão entrar em segredo e causar uma enorme confusão. Uma vez que tenham entrado, será muito difícil expulsá-los. Para tanto, você precisará da força de uma disciplina espiritual sólida. Por quinze minutos, você pode acalentar pensamentos espirituais e então, num mísero segundo, um pensamento não-divino pode aparecer. Portanto, a melhor coisa é não permitir nenhum pensamento durante a meditação. Apenas mantenha a porta trancada por dentro.

Seus verdadeiros amigos não irão embora. Eles vão pensar: “Ele não está bem. Geralmente ele é tão gentil conosco. Deve haver alguma razão especial para ele não abrir a porta”. Eles têm uma unicidade compreensiva, de modo que irão esperar indefinidamente. Entretanto, os seus inimigos vão aguardar só por alguns minutos. Então, perderão toda a paciência: “Está abaixo de nossa dignidade perder o nosso tempo aqui”. Esses inimigos são orgulhosos. Eles dirão: “E daí? Quem precisa dele? Vamos embora para atacar outra pessoa”. Se você não der atenção a um macaquinho, ele no fim das contas irá embora e morderá outra pessoa. Mas os seus amigos dirão: “Precisamos dele, e ele precisa de nós. Vamos esperar por ele indefinidamente”. Depois de alguns minutos, os seus inimigos irão embora. Você poderá abrir a porta e seus queridos amigos estarão ali, a sua espera.

Se você meditar com assiduidade e devoção, depois de algum tempo ficará forte interiormente. Então será capaz de acolher os pensamentos divinos e expulsar os não-divinos. Se estiver recebendo um pensamento de amor divino, paz divina ou poder divino, deixará que ele entre e você e se expanda. Você vai deixá-lo brincar e crescer no jardim da sua mente. Enquanto você e o pensamento estiverem brincando juntos, você perceberá que está se tornando esse pensamento. Cada pensamento divino que você deixa entrar cria um mundo novo e satisfatório, bem como preenche todo o seu ser com divindade.

Depois que tiver meditado durante alguns anos, você terá força interior suficiente para deixar que entrem até mesmo os pensamentos não-divinos. Quando um pensamento não-divino vier até a sua mente, você não vai rejeitá-lo, mas sim transformá-lo. Quando alguém que não é divino bate à sua porta, se você tiver força suficiente para exigir que ele se comporte bem ao entrar, então poderá abrir a porta. Finalmente, você terá de aceitar o desafio e vencer esses pensamentos inadequados. Caso contrário, eles voltarão a incomodá-lo repetidas vezes.

Você precisa ser um oleiro divino. Se o oleiro tiver medo de tocar na argila, então a argila nunca mudará, e ele não será capaz de oferecer nada para o mundo. Contudo, se não tiver medo, poderá transformá-la em algo belo e útil. É seu dever inevitável transformar pensamentos não-divinos, mas só quando puder fazer isso com segurança.

 

Sou um iniciante na meditação e acho que não consigo controlar meus pensamentos. Como posso tornar a minha meditação bem-sucedida?

Se você estiver começando agora, procure deixar que entrem apenas pensamentos divinos, e não pensamentos que não sejam divinos. É melhor não ter nenhum pensamento durante a meditação, mas é quase impossível para um iniciante não pensar. Portanto, você pode começar com bons pensamentos: “Quero ser bom, quero ser mais espiritual, quero amar mais a Deus, quero viver só para Ele”. Deixe que essas ideias cresçam dentro de você. Comece com uma ou duas ideias divinas: “Hoje serei completamente puro. Não vou permitir que nenhum pensamento mau, mas apenas a paz, entre em mim”. Ao permitir que um pensamento divino cresça dentro de você, verá imediatamente que a sua consciência muda para melhor.

Comece com propósitos divinos: “Hoje quero sentir que sou realmente um filho de Deus”. Isso não deve ser um mero sentimento, mas sim uma realidade. Imagine que a Virgem Maria está segurando Cristo em seus braços. Sinta que a Mãe Divina está acalentando você nos braços dela, como um bebê. Sinta: “Eu realmente quero ter luz-sabedoria. Quero caminhar com meu Pai. Aonde quer que Ele vá, quero ir junto. Receberei luz Dele”.

Algumas pessoas não têm esses tipos de propósitos. Não surgem ideias e pensamentos criativos. Tudo o que há é um vácuo. Talvez você pergunte o que é melhor: ter várias mensagens bobas ou nenhuma mensagem na mente. Todavia, existe uma maneira de negativa, inconsciente de meditar, que não tem vida. Essa não é a mente silenciosa. Ela não é produtiva. Na meditação de verdade, a mente fica em silêncio, mas, ao mesmo tempo, consciente.

 

Estou muito orgulhoso da minha mente. Por quê? Porque ela começou a apreciar coisas singelas: um pensamento simples, um coração puro, uma vida humilde.

 

Houve um tempo em que eu o amava, ó meu mundo-pensamento. Mas agora eu amo a beleza de uma mente-silêncio e a pureza de um coração-gratidão.

 

Introdução à meditação, parte 1 – porque e como começar

 

Um coração devotado

Descobriu uma verdade suprema:

Meditar em Deus

É um privilégio,

E não um dever.

Sri Chinmoy, Ten Thousand Flower-Flames, part 9, Agni Press, 1981

 

 

Começamos a meditar por diversos motivos, mas a nossa humildade e simplicidade nos lembra que a meditação é foi algo que nos foi dado, um privilégio, e não um dever ou fruto de nossa inventada “superioridade” intrínseca. Essa percepção mostraria apenas o quão bem ou mal sucedidos temos sido em nossa meditação.

 

Também, nas últimas décadas, algumas pessoas buscaram a meditação como uma fuga – um escape dos problemas psicológicos internos, um alívio às tensões do dia. Essa meditação não será profunda e não nos levará longe. Acho bem possível que você não encontrará um único texto milenar ou mesmo do século passado introduzindo o conceito de que a meditação é para relaxar ou para tratamento de saúde.

 

Outras pessoas buscam a meditação porque elas precisam meditar. Elas precisam meditar, e não de algo que a meditação possa trazer como resultado. É um impulso interior. É algo que o impele a buscar e o inspira a superar obstáculos para começar a meditar. É um anseio concedido por Deus ao buscador.

 

Uma introdução prática à meditação

 

Para começar a meditar, sente-se num lugar o mais afastado possível de outras interferências, dentro de casa.

 

Respire fundo algumas vezes, mas sem tensão, sem fazer força. A cada respiração, diminua o ritmo geral. Isso ajuda a trazer uma certa disciplina para a mente.

 

Mas a meditação profunda não acontece na mente, pois ela mesma é superficial. Ela acontece a partir do coração espiritual, onde mora a sua alma.

 

Para meditar no coração espiritual, sinta que você é esse coração. Sinta que a sua verdadeira essência mora no o lugar para onde aponta quando diz “eu”. Com os olhos entreabertos para não ficar sonolento, foque a sua concentração num ponto.

 

Esse ponto pode ser algo pequeno, mas recomenda-se algo que lembre e traga a tona o seu coração espiritual e lembre-o da sua alma, sua divindade interior. Pode ser uma flor (com a sua beleza e perfeição), uma chama de vela (com a sua luz e vontade de se elevar) ou uma foto ou estátua do seu Mestre espiritual (que representa e incorpora a sua própria meta final).

 

Observe a partir do seu coração, como se seus olhos estivessem lá e seu olhar viesse do meio do seu peito. Isso ajuda a sair dos processos mentais.

 

Agora tente se identificar com o objeto da sua concentração. Sinta que você e ele são uma coisa só. Esse é o poder do coração: o poder de identificação, unicidade.

 

Sinta que você

e a beleza da flor,

o anseio da chama,

a iluminação do Mestre

são um ser só.

 

Como tudo que vale a pena, pratique todos os dias, sem nunca faltar (nunca mesmo), num horário fixo, duas vezes ao dia e de preferência antes das seis horas da manhã e antes de dormir, com a luz sempre acesa.

 

O resultado será algo que você nunca viu nem ouviu falar antes, pois terá uma experiência intrinsecamente pessoal; estará fazendo algo que só você consegue fazer, que é meditar no seu próprio coração, na sua própria alma.

 

“A meditação nos dá uma vida espontânea e natural, tão espontânea e natural que não podemos nem mesmo respirar sem ficarmos conscientes da nossa divindade.”

Sri Chinmoy, Meditation: man’s choice and God’s Voice, part 1, Agni Press, 1974

 

Leia mais em:

 

Meditação é algo natural

Meditação é uma coisa tão simples e natural

 

Meditação para iniciantes

Meditação para iniciantes

 

Música para meditação

Música para meditação – download grátis e online

Dicas para meditar 6: Madre Teresa fala sobre como aprender meditação em silêncio e oração

Sri Chinmoy e Madre teresa em Roma

 

Madre Teresa fala sobre como aprender meditação em silêncio e oração

 

Acompanhando os escritos de Sri Chinmoy, vejo que ele costuma se referir informalmente à vida espiritual como “oração e meditação”. Uma oração elevada e entregue é como uma meditação em Deus.

 

Aqui separamos alguns textos da Madre Teresa, amiga de longa data de Sri Chinmoy, com quem compartilhava também o aniversário de nascimento em 27 de agosto. Nesses textos, vemos trechos de seus comentários sobre aprender a meditar e orar em silêncio.

 

 

***

 

 

Somos chamados em certos intervalos a nos recolher em um silêncio mais profundo e solidão com Deus, tanto juntos em comunidade quanto de forma solitária. Estar sozinho com Ele, não com nossos livros, pensamentos e lembranças, mas completamente despidos de tudo, habitando amorosamente em Sua presença – em silêncio, vazio, aguardo e imobilidade.

 

Se realmente queremos aprender a orar, devemos primeiro aprender a ouvir, pois é no silêncio do coração que Deus fala.

 

Os contemplativos e ascetas de todas as eras buscaram Deus no silêncio e solidão do deserto, floresta e montanha.

 

Ouça em silêncio, pois se o seu coração estiver repleto de outras coisas, você não conseguirá ouvir a voz de Deus. Mas quando você ouve a voz de Deus no silêncio do seu coração, o seu coração fica repleto de Deus. Isso exigirá muito sacrifício, mas, se realmente quisermos aprender a orar e quisermos orar, devemos estar prontos para fazê-lo agora.

 

O homem necessita de silêncio. Estar sozinho ou junto, buscando Deus em silêncio. É então que acumulamos o poder interior que distribuímos em ação, no menor dos deveres e nos mais duros desafios que enfrentamos.

 

Ter silêncio interior é muito difícil, mas precisamos tentar. No silêncio encontramos nova energia e uma verdadeira unicidade. A energia de Deus será nossa para tudo fazermos bem.

 

É difícil orar quando não sabemos orar. Precisamos nos ajudar a aprender. O mais importante é o silêncio.

 

Precisamos encontrar Deus, e Deus não pode ser encontrado no barulho e inquietação.

 

Não conseguimos nos colocar diretamente na presença de Deus sem nos colocarmos em silêncio interior e exterior. É por isso que devemos nos acostumar com o silêncio da alma, dos olhos, da língua.

 

Tudo começa com a oração que nasce no silêncio dos nossos corações.

 

Do livro “Tudo começa com a prece”

Tudo começa com a prece – livro inspirador da Madre Teresa

Dicas para meditar 5: porque meditar?

Dicas para meditar: porque meditar?

“O Reino dos céus assemelha-se a um tesouro escondido no campo. Certo homem, tendo-o encontrado, escondeu-o novamente. Então, transbordando de alegria, vai, vende tudo o que tem, e compra aquele terreno. …

Não acumuleis para vós outros tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e onde ladrões arrombam para roubar. Mas ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde a traça nem a ferrugem podem destruir, e onde os ladrões não arrombam e roubam. …” Jesus Cristo, o Novo Testamento

 

Se me perguntassem por que motivo eu comecei a meditar, diria que foi porque vi um cartaz na universidade dizendo “curso de meditação gratuito“.

 

Mas, se me perguntassem por que eu tive interesse, por que eu quis ir nesse curso, eu não sei explicar. Eu só sabia que tinha que ir, sem nenhuma explicação.

 

Quando ouvimos as histórias dos Mestres espirituais, cedo ou tarde nos conciliamos com uma certa inevitabilidade, que somos escolhidos à Hora de Deus para realizar alguma coisa. Para mim, teve a Hora para começar a meditar, o que levou-me a encontrar a minha vida espiritual.

 

Ontem estava lendo histórias sobre a infância do meu Mestre, Sri Chinmoy, no Ashram de Sri Aurobindo. Ele contou uma história que, simplificadamente e com possíveis erros de lembrança da minha parte, era assim: um jovem rapaz foi comprar um sapato numa loja. O lojista embrulhou o calçado em jornal. Chegando em casa, ele abriu o jornal e se deparou com um artigo de Sri Aurobindo, com a sua foto. Foi o que bastou. Ele foi para Pondicherry encontrar-se com essa “pessoa” que, num piscar de olhos, passou a ser a coisa mais importante no mundo dele. Ele deixou tudo que tinha na vida – fama, posses, escolaridade – e se tornou um dos principais discípulos de Sri Aurobindo.

 

 

O nome de um Mestre espiritual realizado possui um poder imenso. Costumo me referir ao meu próprio Mestre como Guru, de forma muito carinhosa e próxima, mas quando ouço seu nome “Sri Chinmoy”, sinto que ali há um tesouro inigualável. Foi essa sensação que me inspirou a escrever, e também me fez lembrar da citação do Cristo que abre o artigo. Nesses dias, lendo as histórias de Sri Chinmoy, tive uma sensação profunda de satisfação, como se o fato de eu ter ele fosse a única coisa que importasse. Quando você tiver um Mestre realizado, terá essa mesma sensação, da sua própria forma e na sua própria hora, é claro.

 

Sri Chinmoy não espera do seus alunos que abdiquem do mundo formalmente, mas a nossa postura deve sim ser a de que a prioridade é o progresso espiritual, sendo que o progresso material serve apenas como base para o interior, nunca como uma meta por si só. Vemos o divino em tudo, em todas as coisas, e tentamos priorizar a busca por aquilo onde esse Divino está manifestado de forma mais presente e evidente.

 

Foi por isso que comecei a meditar. E você, por que vai começar a meditar?

Dicas para meditar 4: Meditação é uma coisa tão simples e natural

 

A meditação simplifica a nossa vida exterior e energiza a nossa vida interior. A meditação nos proporciona uma vida natural e espontânea, uma vida que se torna tão natural e espontânea que não podemos respirar sem estarmos conscientes da nossa própria divindade.

Sri Chinmoy

 

Dicas para meditar 4: Meditação é uma coisa tão simples e natural

 

Alguns anos atrás uma escritora do Vida Simples participou do nosso curso de meditação e escreveu uma matéria para a revista impressa. Uma amiga minha que também é jornalista reencontrou essa matéria e, pensando no nome “Vida Simples”, me veio o pensamento de que eu poderia retribuir, escrevendo agora eu sobre a como aprender a meditação e abordando o seu aspecto de “simples e natural”.

 

Meditação é muita coisa para muita gente. Para mim, meditação não é técnica. Meditação não se aprende lendo, e eu não posso ensinar para ninguém. Meditação é um anseio interior, que Sri Chinmoy costuma chamar de aspiração. Quando você dá um espaço para a sua meditação acontecer, para a sua aspiração mergulhar (é uma boa figura de linguagem), aí é que você entende o que é meditar. Mesmo uma meditação de um minuto, contanto que seja genuína, faz você levantar do lugar onde estava sentado uma pessoa completamente diferente do que a pessoa que se sentou lá.

 

Quando essa aspiração começa a se manifestar com frequência na vida de uma pessoa, ela se torna uma buscadora – buscadora da Verdade, da Luz, da Perfeição.

 

Agora pensemos. Verdade, Luz, Perfeição escritas assim, com inicial maiúscula… são coisas fáceis de se obter? Um diploma universitário, amigos, bens, são coisas bem simples de se obter. Basta dedicar alguns anos da sua vida. Mas, e o que você faz com isso? Isso lhe traz mais para perto da Verdade, Luz e Perfeição – ou para longe?

 

É por isso que a frase de Sri Chinmoy que abre o artigo é tão genial: “A meditação simplifica a nossa vida exterior e energiza a nossa vida interior. A meditação nos proporciona uma vida natural e espontânea, uma vida que se torna tão natural e espontânea que não podemos respirar sem estarmos conscientes da nossa própria divindade.”

 

Se você quer alcançar uma meta elevada, precisa de foco e dedicação. Precisa também de tempo e energia. Uma vida simples pode proporcionar isso a você. Mas como saber o que é importante e deve ser valorizado e o que é um estorvo e deve ser transformado? Cada um pode dizer diferentes coisas, mas quem está certo?

 

O silêncio do seu coração vai lhe mostrar. De repente, coisas que não queria fazer começam a parecer interessantes. Coisas que gostava de fazer repentinamente passam a parecer tão vazias, sem sentido. Seus amigos mudam, sua casa muda, suas roupas mudam, tudo muda. Como meditar? Você vai aprender também! A técnica que funciona melhor, o melhor professor, tudo vai aparecendo uma hora ou outra.

 

Uma vez que você começa a praticar a meditação (ou outra prática espiritual) com sinceridade e aspiração, a sua alma vem mais à tona, e o seu “eu” buscador começa a mostrar para você o que vale a pena e o que não vale. O que leva você adiante e o que não leva. O que tem futuro e o que não tem futuro. Isso faz com que tenha a oportunidade de deixar que somente as coisas importantes fiquem na sua vida. O seu papel é ouvir o seu coração. O resultado é a Verdade, a Luz, a Perfeição.

 

O texto que abre o artigo termina assim:

“A meditação é um dom divino. Ela é a abordagem direta que leva o aspirante ao Uno de quem ele é descendente. A meditação diz ao aspirante que a sua vida humana é uma coisa secreta e sagrada, e ela afirma a sua herança divina. A meditação lhe proporciona um novo olho para enxergar Deus, um novo ouvido para ouvir a Voz de Deus e um novo coração para sentir a Presença de Deus.”

Sri Chinmoy, Meditation: man’s choice and God’s Voice, part 1, Agni Press, 1974