Vídeo: Sri Chinmoy sobre si mesmo

Vídeos para meditar e sobre espiritualidade

Transcrição do da entrevista com Sri Chinmoy e legenda por Sri Chinmoy Centre Brasil

Lista de vídeos selecionados para meditar.

 

 

Se eu tiver que dizer quem sou, eu sou um estudante da paz.

Alguns dizem que sou um embaixador da paz, um embaixador internacional, mas eu não clamo por isso, eu não ouso clamar isso. Quero permanecer como um estudante da paz e um sonhador da paz. Onde quer que eu vá estarei sonhando com a paz, onde quer que eu esteja, aprenderei a mensagem de paz com as pessoas do país que estou visitando.

> Quando você decidiu que isso é o que gostaria de fazer?

Cheguei na América em 1964, foi quando houve a minha decisão final de vir, não apenas para a América, mas para o mundo ocidental. Desde então eu tenho orado, meditado e oferecido a minha paz. As orações na ONU tenho oferecido já pelos últimos 27 anos. E visitei muitos países com o mesmo objetivo, mesma missão e mesmo propósito.

> (?)

Não, como já disse, eu sou um homem de orações e meditações. Portanto, quando nós oramos e meditamos, recebemos mensagens interiores. Podemos chamar de alma ou Deus. Alguém, nosso Guia Interior nos diz, nos incita a realizar algumas coisas. Portanto, do meu interior mais profundo fui ordenado a vir para a América. Não foi a minha vontade do momento, mas a partir da minha vida de orações, eu recebi a mensagem interior para servir o ocidente.

E se o mesmo Piloto Interior me pedisse para servi-lo na India ou no oriente, eu estaria mais do que feliz em aceitar a autoridade do meu ser interior.

************

> Eu assumo que você começou na Índia, que nasceu e estudou na Índia. Poderia nos contar sobre seu passado e porque veio para cá?

 

Eu vim para cá por que fui comandado pelo meu Piloto Interior, portanto estou aqui para servi-Lo no ocidente aspirante. Cresci numa comunidade espiritual, vivendo lá por 20 anos e aos 12 anos de idade eu comecei a prática espiritual.

> Muitas pessoas gostariam de saber, e é uma pergunta ocidental, não minha, mas sinto a vontade de perguntar, meu Piloto Interior, talvez. Porque você deixou a Índia, porque muitos Mestres espirituais deixaram a Índia, quando a mesma possui vários problemas e necessidades lá?

Quanto aos outros, eu não tenho direito de dizer nada. Quanto a minha própria espiritualidade, quanto à minha vinda ao ocidente, posso dizer que no meu caso eu não escolho. Eu não tenho liberdade própria. Se meu Piloto Interior ordenar a minha volta a Índia, serei a pessoa mais feliz. Eu ouço sempre os ditames do meu Piloto Interior. Para mim, não algo tal como América, Índia, Europa ou África. O mundo pertence ao meu Piloto Interior. Portanto hoje Ele quer que eu esteja em alguma casa em particular na América e amanhã ele pode me pedir que eu vá para uma outra casa. Portanto eu sempre estarei pronto para acatar Suas Ordens.

 

 

****************

> Você tem outro grande objetivo? Você já tem feitos em levantamento de peso, música, artes, poesias, literatura, todos esses feitos. Qual é o seu próximo objetivo?

Meu único objetivo, minha meta eterna, é me tornar parte essencial da paz universal. Eu sou um buscador da Verdade, sou um amante de Deus. Eu gostaria, minha única súplica, é me tornar, ver, sentir e me tornar um com a paz universal. Isso é tudo de que mais preciso – o que o mundo precisa. – O que o mundo precisa é de paz, nada mais. Portanto minhas orações e meditações giram em torno da paz.

 

Porque saiu no jornal, fiquei sabendo que você deu uma coleção dos seus livros ao Prefeito de Nova Iorque. E a pilha de livros tinha mais de dois metros de altura, o que deve ter sido bem interessante de se ver ao lado do nosso excelentíssimo prefeito. Mas eu gostaria de saber, para a sua meditação, ensinamentos, etc, quanto tempo você separa para fazer os seus escritos?

Sou a primeira pessoa a duvidar disso tudo. Mas sou um mero instrumento do meu Piloto Interior. Quando alguém entrega a sua vontade para o Piloto Interior, não há algo tal como impossibilidade. É o Piloto Interior quem faz tudo em e através mim, e eu tento me tornar Seu instrumento perfeito.

Mas você dedica certas horas do dia para realizar certas atividades?

Eu não tenho um horário certo. Depende completamente da vontade Dele.

Agora Ele me pede que faça algo,

mas no momento seguinte

Ele me pedirá que faça outra coisa.

Não há uma regra certa para a minha vida,

no sentido de que devo dedicar algumas horas para isso ou aquilo…

Eu vou a diversos lugares, organizo os Centros, e isso eu tenho de fazer numa hora certa.

Mas quando é questão de compor canções, escrever ou pintar, eu não tenho horário fixo.

Isso nos traz a um ponto, que me lembra que você trouxe um instrumento musical com você.

Você poderia nos mostrar o que ele é e talvez tocar um pouco?

Obrigado.

Qual é o nome desse instrumento.

Chama-se esraj. É um instrumento indiano.

Você o usa nos seus encontros?

É um dos instrumentos que eu uso.

Você também pinta, estou certa?

 

Sim, eu pinto.

E que tipo de pinturas você gosta de fazer?

A maior parte são pinturas abstratas.

Você estudou arte?

Não estudei arte. Eu só entreguei a minha vontade à Vontade do Supremo.

Apenas tento me tornar Seu humilde instrumento.

 

Há mais de 125 Centros Sri Chinmoy

ao redor do mundo.

O que acontece nos Centros?

Onde quer que haja Centros,

meus alunos ao redor do mundo

oram e meditam e lêem meus escritos.

Também, eu compus milhares de canções.

Eles ouvem a música – alguns deles

são bons músicos e cantam.

Vida-oração: você ora.

E também se medita.

Então eles lêem meus livros

E também livros escritos por outros,

livros espirituais.

Isso é o que fazemos.

 

Você escreverá mais poemas, fará mais arte, tocará mais música. E, é claro, muito mais corrida, levantamentos de peso, levantamentos de pessoas – você já levantou mais de 1000 pessoas – enfim, as conquistas continuarão por toda a sua vida.

Acho que é por isso às vezes se referem a você como um homem global. Mas explique para mim o conceito – o que se quer dizer com um homem global? Eu tenho um motivo para perguntar.

Considero que um homem global é um aquele cujo coração-aspiração chora para Deus o Criador pela alegria-unicidade de Deus a criação. Você e eu somos Deus a criação. Somos Deus, mas somos Deus a criação. E há Alguém que é Deus o Criador. Deus o Criador e Deus a criação devem seguir juntas. Estamos orando para Deus o Criador para que nos dê o sentimento de unicidade.

 

Vídeo: O papel do Mestre espiritual na meditação

Vídeos para meditar e sobre espiritualidade

Transcrição do vídeo e legenda por Sri Chinmoy Centre Brasil

Lista de vídeos selecionados para meditar.

 

 

O que é, como reconhecer, ensinamentos, discípulos e mais: a figura do Mestre espiritual

Esta página é uma de uma sequência de artigos sobre o Mestre espiritual, escritos por Sri Chinmoy.

As outras páginas são:

A maior parte dos escritos foram extraídos do livro de Sri Chinmoy, chamado O Mestre e o Discípulo: considerações sobre a relação Guru-discípulo.


 

Como alguém meditaria… digamos aqueles que nunca tentaram antes, aqueles que não estão familiarizados com o processo?

Se ele não tem um professor, ele pode ler alguns livros espirituais. Esses livros o ajudarão imensamente. Mas se essa pessoa tiver a sorte de ter um Mestre espiritual para ser sua fonte de aspiração e orientação, então ele é afortunado.

 

 

Como você caracteriza o papel de um professor ou um Guru nesse caminho? É possível entregar a um professor, ou se entregar ao Absoluto através de um professor, ou como isso funciona?

Existe uma grande diferença entre

um professor de escola e um Mestre espiritual.

Um professor de escola examinará o aluno.

Ele irá ensinar esse aluno, sem dúvida,

mas irá examiná-lo.

E então, se ele for bem,

receberá uma boa nota,

mas se ele não for bem,

será reprovado.

Mas um Mestre espiritual

cumprirá sempre o papel

de um professor particular.

Ele ensinará o aluno

de forma privada,

secretamente, incansavelmente

e sem reservas,

e então dirá:

“Agora encare o mar-ignorância.

O mar-ignorância irá examiná-lo,

Você deve superar o mar-ignorância.”

Dessa forma o Mestre espiritual é

um professor particular

que irá iluminar o aluno de forma privada

com sua meditação e luz interiores e então dirá: “Minha criança, vá e encare a ignorância, supere a ignorância.”

Essa é a diferença entre

um professor escolar e um Mestre espiritual.

Também um Mestre espiritual, um Mestre verdadeiro, dirá a seus alunos, seus discípulos, que ele não é o verdadeiro Mestre. O verdadeiro Mestre é Deus. Ele é apenas um representante. O presidente está aqui, mas ele tem embaixadores, e muitos outros para representá-lo em diferentes partes do mundo. Então Deus, o Supremo Absoluto, tem os Mestres espirituais como representantes, para aqueles que desejam estar em seus barcos. Eu sou um professor, um professor espiritual. Tenho um barco. Ele, com sua Graça infinita, me deu um barco. E Ele me disse “Essas pessoas são destinadas ao seu barco.” E para os outros Mestres, Ele também deu a eles barcos. Ele diz “Agora, leve seus passageiros, aqueles que são destinados ao seu barco. Você deve levá-los ao porto de destino.” Mas somos apenas os Seus mensageiros. Barqueiros, você poderia dizer, ou garotos de recados. Estamos apenas transportando as mensagens deste mundo ao outro mundo. O Mestre espiritual não é ninguém além de um garoto de recados que está fielmente levando as mensagens entre ambos os mundos. Aqui tenho meus alunos. Levo seus anseios, ou você poderia dizer suas imperfeições, suas amarras, ao meu Amado Piloto Supremo, e do Supremo eu trago sorriso, paz, felicidade e os ofereço. Daqui levo algo a Ele e do Supremo trago algo às minhas crianças espirituais. Portanto, sou um garoto de recados.

 

O que faço é simplesmente trazer à tona a sua própria divindade. Não a minha divindade. É como se você tivesse coberto a sua própria divindade. Então estou tentando, dizendo a você. Você sabe que tem uma caixa que está tampada e eu digo: “Agora você irá levantar a tampa e simplesmente abrir.” Então aí está sai própria divindade. O Mestre espiritual quando age, ele traz à tona a divindade de seus discípulos. Não a sua própria divindade. Dentro de todos nós está Deus, dentro de você, de você. Então é como se as divindades dentro de vocês estivessem um tanto adormecidas. Você está dormindo. Nesse momento estou tentando acordá-los. Havia um tempo em que eu, a minha divindade também, estava dormindo. Mas alguém veio e disse: “Acorde, acorde, está na hora de acordar.” Então, quando aparece o Mestre, ele tenta trazer à tona a divindade de vocês mesmos, a sua própria, própria divindade.

Nós oramos e meditamos. Nós vamos para a escola: jardim de infância, ensino fundamental, colegial, faculdade, universidade, quanto mais alto o grau, maior é o grau do diploma. Você ora. Eu também orei e meditei, não somente nesta vida, mas também em vidas anteriores e anteriores.

Eu sou um professor. Ensino um estilo de vida, não uma religião. É um caminho de orações e meditações. “Guru” quer dizer professor. Assim como temos professores na escola, aqui também temos. Aqui usamos o termo “Guru”: aquele que ensina as pessoas como orar.

Eu tenho alunos em torno de 60 ou 70 países. Eles são muito bondosos comigo, e eu também tento ser bondoso com eles. Eles são muito devotos a mim, e eu digo a eles: “Eu não sou o Guru, eu não sou o Guru. Existe somente um Guru, e esse Guru é o próprio Deus.” Então eu tento direcioná-los a Deus. Somente um Guru existe. Eu sou somente o irmão mais velho deles, porque comecei no yoga muito antes deles.

Um verdadeiro Guru é um amante de Deus e salvador dos homens. Guru é uma palavra em sânscrito que significa “aquele que ilumina os buscadores ou estudantes”. Isso é um Guru.

Não é um líder de culto? Eu quero deixar isso claro. Tudo isso pode ser confundido com um culto.

Não. E em minha opinião, se alguém não segue o mesmo estilo de vida que eu sigo, então serei acusado de ser um cultista. Eu tenho que fazer as coisas exatamente como você, em tudo. Eu estou no seu barco, portanto não sigo nenhum culto. Mas se eu não concordar em tudo com você, então eu pertenço a um culto.

E, é claro, você aceita pessoas de todas as religiões.

Sim. Eu sou para todos. Como uma árvore. Nossa árvore-vida possui muitos galhos. Você é um galho, eu sou um galho e ele é um galho. Todos representam um galho, mas a árvore-vida é o nosso clamor-aspiração da eternidade.

…a relação entre um Guru e um discípulo, Sri Chinmoy, não é mentalmente como o modelo ocidental. Quanta adaptação é necessária em ambos os lados, tanto do lado do Guru quanto do lado dos discípulos ocidentais?

É uma questão de amor. Se o professor tem amor e o aluno tem amor, o professor não precisa estar no topo da árvore e o estudante não precisa ficar no pé da árvore. Se o professor tem um amor genuíno pelo estudante então ele irá descer e ficar com ele, ele irá descer e ficará com o aluno aos pés da árvore.

E também o amor, afeição, devoção e preocupação que o professor terá com o seu aluno, capacitará o professor a elevar seu aluno para o alto, mais alto e altíssimo, ao topo da árvore da vida ou da árvore espiritual. Dos dois lados, o que é preciso é amor. Se o amor é genuíno de ambos os lados, então não existe a questão da supremacia do professor ou falta de unicidade do aluno. Eles caminharão junto, como pai e filho. Eles estão juntos pela força do amor. Portanto, o Mestre espiritual é aquele que irá iluminar o estudante. Mas como ele irá iluminar o estudante, se o aluno não possuir o anseio? Quando o estudante possuir o anseio, então aluno e professor serão um, inseparavelmente um. Não é algo que compelimos o aluno a aprender. Apenas dizemos a eles que a espiritualidade, os valores interiores estão profundamente dentro deles. O professor não está dando algo novo ao estudante. O professor, o professor espiritual, somente ajuda o aluno a trazer à tona sua própria divindade, seu próprio tesouro interior.

Sri Chinmoy, muito obrigado, de verdade, por atender o nosso chamado hoje.

Quando caminhamos pela estrada, Deus, em algum momento, no diz para caminhar numa determinada direção. E depois o mesmo Deus pede que mudemos a direção, o mesmo Deus. Para nós, 5.000 ou 10.000 anos atrás veio um professor. Seu nome era Krishna, o Senhor Krishna. Ele nos ensinou, ensinou o mundo, de uma maneira específica. Então o Senhor Buda veio. Ele ensinou de uma maneira diferente. O objetivo é único. Depois foi Cristo o Salvador quem veio. Cada um está mostrando maneiras diferentes de chegar no mesmo destino. Roma é um lugar. O Vaticano é um lugar. Existem várias maneiras de chegar ao Vaticano, de chegar a Roma. E cada indivíduo tem que fazer sua própria escolha. Estarão decidindo de vão por um caminho, se chamam um táxi, ou se vão por alguma outra rota até o Vaticano. Agora depende deles. Existem rotas e caminhos, e o indivíduo deverá fazer sua escolha. Mas se ele disser: “Não, existe somente um caminho,” então o que será das outras rotas que são igualmente boas?

Voltando ao ponto, alguns Mestres espirituais têm tanto amor, digamos. Amor, amor é a palavra certa. Eles vão até os seus devotos. Mestres espirituais que ainda estão no plano físico… eles apareceram até mesmo durante enquanto os discípulos sonhavam.